You are here

Renault quer fazer despedimento coletivo em Loures

Renault Portugal quer fazer um despedimento colectivo de 34 trabalhadores e fechar o armazém de peças em Fetais (Loures). Sindicato denuncia a ilegalidade da situação.
Foto de David Villarreal Fernández/Flickr.

A Fiequimetal (Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Eléctricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas) anunciou hoje que a Renault Portugal quer promover um despedimento colectivo de 34 trabalhadores, mais de um terço do pessoal da Renault Portugal. Além disso, a empresa quer fechar o armazém de peças em Fetais (Loures). 

No dia seguinte ao anúncio, a administração começou a reunir com cada um dos trabalhadores, sem, segundo a federação sindical “realizar as negociações prévias previstas na lei”. Depois de um plenário de trabalhadores realizado ontem em, a Comissão Sindical do SITE CSRA SITE CSRA pediu uma reunião de urgência com a administração pois “num documento do próprio Groupe Renault sobre «optimização do esquema de distribuição de peças e acessórios», está referida uma fase de «consulta e troca de ideias com os representantes dos assalariados», a decorrer «no período de 3 a 20 de Maio de 2016»”.

O Comité Europeu de Empresa, a estrutura representativa dos trabalhadores da multinacional, criticou a «precipitação» com que este dossier está a ser tratado e o projecto de nível ibérico, que irá colocar a Renault Portugal a depender de um armazém em Torres de la Alameda, nos arredores de Madrid.

O sindicato, além de denunciar a situação, contactou o Ministério do Trabalho e afirma que "vai apresentar este caso também ao ministro da Economia e aos grupos parlamentares".

Termos relacionados Política
Comentários (1)