You are here

Redes de Solidariedade intensificam-se a nível local

Na sua maior parte dinamizadas pelas autarquias, por todo o país surgem redes de solidariedade para dar resposta ao isolamento social provocado pela pandemia.
Mapa CASES
site da CASES www.cases.pt

Por todo o país crescem iniciativas locais de voluntariado e solidariedade para responder à pandemia do novo coronavírus. Neste mapa, criado pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES), encontramos dezenas de exemplos distribuídos por distrito e por concelhos.

As iniciativas presentes neste repositório são, na sua maior parte, projectos lançados pelas autarquias locais, câmaras municipais e juntas de freguesia, mas também há várias associações envolvidas. Cada caso é acompanhado de uma descrição do seu âmbito, assim como dos seus contactos, para que qualquer pessoa possa participar, ou poder usufruir de apoio durante este período de isolamento.

Os programas de entrega de bens alimentares e de outros bens essenciais como medicamentos, direccionados a populações de risco, são algumas das actividades mais referenciadas. Este tipo de voluntariado é essencial para que estas pessoas não tenham de sair à rua, colocando a sua saúde em risco.

Um outro tipo de iniciativas muito referenciadas é a procura de voluntários para responder à falta de recursos humanos nas IPSS, nomeadamente para lares de idosos. Esta é uma necessidade que se encontra praticamente em todos os distritos. As tarefas passam por serviços gerais (lavandaria, limpeza, entre outros), cozinha, ação direta com pessoas idosas, serviço de apoio domiciliário, enfermagem e outras áreas da saúde.

São também interessantes os projectos que surgem para a produção de máscaras de protecção reutilizáveis, em tecido, para disponibilizar gratuitamente à população, ou à proteção civil, como acontece no caso do Fundão. A Junta de Freguesia de São Bartolomeu de Messines criou um programa de voluntariado para costurar fatos de protecção. Em coordenação com um grupo de profissionais do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio- CHBA Portimão, adquiriu tecido, e procura voluntários para os fazer.

Para quem não pode ajudar fisicamente, existem iniciativas para acompanhar os mais isolados através de contactos telefónicos regulares. Os municípios de Marco de Canaveses e Baião lançaram uma linha de apoio com serviço de assistência médica, psicológica e social, que presta auxílio do foro clínico e psicológico, durante a pandemia de Covid-19.

Em Cascais, a Associação São Francisco de Assis reúne voluntários para dar resposta às necessidades dos animais, cujos donos se encontram em isolamento social ou pertençam a grupos de riscos. A resposta também se aplica aos profissionais de saúde.

Termos relacionados Covid-19, Sociedade
(...)