You are here

Precários do Estado manifestam-se esta sexta-feira

Os atrasos e falta de respostas do governo sobre o PREVPAP vão levar os precários do Estado à porta do Ministério do Trabalho para exigirem a sua integração nos quadros.
Precários do Estado na manifestação do 1º de Maio da CGTP em Lisboa. Foto André Beja.

O movimento Precários do Estado convoca para esta sexta-feira, 21 de dezembro, a partir das 15h, uma concentração em frente ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O protesto segue-se à falta de respostas por parte do governo aos pedidos de informação sobre o andamento da regularização dos vínculos precários na administração pública. No site do PREVPAP, está o anúncio da abertura de apenas 1.200 concursos, quando existem 30.000 processos de regularização em curso.

O compromisso do governo era de integrar os candidatos aprovados no PREVPAP até ao final do ano, mas é evidente que esse compromisso não será cumprido.

“Mantêm-se e agravam-se diariamente os problemas identificados em abril, quando centenas de precários se concentraram à porta do ministério de Vieira da Silva: o atraso na execução do programa, a falta de transparência, o afastamento indevido de pessoas do seu posto de trabalho, o boicote à aplicação da lei por parte dos dirigentes de vários sectores, a arbitrariedade, a exclusão de alguns vínculos e a falta de rigor nas avaliações das comissões de avaliação”, dizem os Precários do Estado, acrescentando que “continua evidente a fraca aplicação deste programa nas autarquias”.

Os trabalhadores precários exigem a sua integração, mas querem também que não fiquem impunes “as pessoas responsáveis pelo boicote ou pela exclusão de precárias e precários” ou que os serviços públicos “continuem a preencher necessidades permanentes com vínculos precários”.

“Não aceitaremos que fiquem precários e precárias por regularizar”, prossegue o comunicado dos Precários do Estado, prometendo que “tudo faremos para garantir que ninguém fica para trás”.

Termos relacionados PREVPAP, Sociedade
(...)