You are here

Portugal tem economia mais desigual dos países desenvolvidos

Segundo uma investigação da Morgan Stanley, Portugal é o país desenvolvido com maior desigualdade salarial e de riqueza.
Foto de Christopher Allen/Flickr

Morgan Stanley, uma multinacional de serviços financeiros sediada em Nova Iorque, analisou a economia dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico que tem 34 estados membros e 31 países parceiros) relativamente à igualdade salarial e de distribuição de riqueza. Os cinco países desenvolvidos mais desiguais, segundo o relatório, são, respetivamente, Portugal, Itália, Grécia, Estado Espanhol e Estados Unidos. Os cinco países com economias mais equilibradas são a Noruega, a Suécia, a Finlândia, os Países Baixos e a Bélgica.

No relatório, foram estudados indicadores como a desigualdade salarial de acordo com o género, o emprego involuntário a tempo parcial e o acesso à internet, entre outros. A desigualdade persistente prejudica o crescimento económico a longo prazo, afirma o relatório, contrariando as políticas de austeridade que têm sido implementadas nos países do Sul da Europa, que estão nos quatro primeiros lugares das economias mais desiguais. De acordo com o relatório apresentado, “as gerações anteriores de famílias de classe média, no período posterior à Segunda Guerra Mundial, podiam aspirar a melhoras as suas condições de vida, a terem uma casa de tamanho razoável, uma boa educação para os seus filhos e reformas nas quais podiam confiar. Pelo contrário, as aspirações da classe média hoje em dia esbarram contra a insegurança laboral e das pensões”.

A seguinte tabela resume os resultados do relatório:

Quadro resumo dos resultados do relatório. A primeira coluna indica o lugar em que se posicionaram os países, com Portugal em primeiro. As variáveis avaliadas foram: os coeficientes de Gini, a dispersão salarial (% de mudança nos coeficientes de Gini, % de crecimento salarial real, dispersão de rendimentos e diferença salarial entre géneros), balanço geral (riqueza líquida da média em relação à mediana e % da dívida mediana em relação ao rendimento), inclusão no local de trabalho (desemprego de quem completou o ensino secundário, trabalho parcial involuntário, Não Estudam Nem Trabalham - NEET, todos em em %), estado de saúde (intervalo no estado de saúde, em %) e acesso digital (acesso à internet, em %)


O relatório pode ser lido na íntegra (em inglês) aqui.

Termos relacionados Sociedade
(...)