You are here

Petróleo, mercados financeiros e recessão global

Hoje a crise adquire um novo cariz. Os preços do crude atuam como um sinal de alarme sobre o mau estado da economia mundial. Por Alejandro Nadal.
As perdas acumuladas em Wall Street, no início deste ano, ascendem a mais de 1,6 milhões de milhões de dólares

Quando a crise de 2008 eclodiu muitos analistas, ligados a governos e autoridades monetárias, pensaram que os seus efeitos poderiam ser contidos e os danos limitados a segmentos do sistema financeiro. Na realidade, a profundidade e alcance do processo de endividamento e a alavancagem foram para além de todos os limites. Algumas ligações existentes entre segmentos do sistema financeiro eram desconhecidos e surpreenderam toda a gente. Os vasos comunicantes entre os bancos, os mercados de valores, os fundos de cobertura e as corretoras tinham instrumentos financeiros complexos que os reguladores muitas vezes nem sequer conseguiam entender.

Hoje a crise adquire um novo cariz. Já não se trata simplesmente de conexões entre segmentos do sistema financeiro. Hoje existe uma relação estreita entre a queda nos preços do petróleo e o colapso e volatilidade extrema nos principais mercados financeiros. Os preços do crude atuam hoje como um sinal de alarme sobre o mau estado da economia mundial. A crise completou um ciclo e as perdas acumuladas em Wall Street, no início deste ano, ascendem a mais de 1,6 milhões de milhões de dólares

Uma das razões pelas quais o colapso do preço do crude afeta todo o tipo de mercados financeiros é relativamente simples. Muitos grandes investidores, desde fundos até grandes empresas, sofreram em 2015 um castigo brutal na composição das suas carteiras do investimento relacionado com mercadorias básicas ou commodities. Hoje esses mesmos investidores começaram a desfazer-se de ações e títulos financeiros com o objetivo de reduzir o perfil de risco do conjunto da sua carteira. E como se diz no jargão financeiro, isso afetou o sentimento do mercado e intensificou a tendência para vender a descoberto.

Os investidores mais importantes na economia mundial estão a observar com grande atenção a evolução do preço do petróleo. O colapso não é considerado portador de boas notícias. Ao invés, é um péssimo presságio de que a economia mundial continuará atolada num ambiente recessivo durante vários anos.

O colapso do preço do crude é atribuído à estratégia de mercado da Arábia Saudita para preservar a sua faixa de mercado. Mas há outros indícios de que poderá estar mais relacionado com o colapso na procura, sobretudo com a contração na China. Todos os sinais económicos que vêm, nestes dias, do gigante asiático prenunciam uma forte e duradoura contração. O baixo preço do petróleo poderá ser mais um fenómeno da deflação do que uma consequência da disputa por faixas de mercado.

Por sua vez, os sinais provenientes dos Estados Unidos também não são bons. O boom do fracking hidráulico foi acompanhado de um feroz sobreendividamento por parte das novas empresas do gás e do petróleo. Muitas destas empresas puderam financiar-se através de títulos de muito má qualidade e até de títulos de alto risco. Com a promessa de que estavam a iniciar a revolução energética que os Estados Unidos esperavam há anos, puderam vender esses títulos a investidores incautos com a promessa de que manteriam rendimentos elevados durante muito tempo. Hoje, que o preço do crude não permite cobrir o custo médio de produção na maioria dos locais com instalações para o fracking hidráulico, o colapso na indústria acelera. O número de instalações (rigs) de fracking em atividade nos Estados Unidos desceu de 1.864 em outubro de 2014 para cerca de 619 em janeiro deste ano.

Calcula-se que metade das empresas petrolíferas norte-americanas do negócio do fracking irá falir. Tudo isto terá grandes repercussões a nível macroeconómico e certamente não favorecerá uma recuperação. De facto, no debate sobre se a Reserva federal se precipitou na subida da taxa de juro o impacto do baixo preço do petróleo já é considerado como uma das variáveis mais importantes.

Existe uma ramificação que liga o preço do petróleo com a economia financeira que não tem sido bem analisado. O preço do crude é o suporte do valor de muitos títulos e créditos de grandes empresas. O seu colapso prenuncia uma cascata de dívidas que não poderão ser pagas, o que levará à falência muitos fundos e bancos. O crédito mal-parado das companhias petrolíferas poderá superar o volume dos anos 80, quando a queda do preço do petróleo ajudou a precipitar a crise mundial.

A indústria energética faz grandes investimentos e os seus efeitos multiplicadores na economia são muito fortes. Uma parte significativa do crescimento da economia norte-americana após a crise de 2008 deveu-se aos investimentos do setor energético (e, em especial, do fracking). Mas quando as empresas petrolíferas têm que usar o travão de emergência, o efeito de contração, com todos os seus multiplicadores, não tarda a manifestar-se. A crise global continua a evoluir.

Artigo de Alejandro Nadal, publicado no jornal mexicano La Jornada em 3 de fevereiro de 2016. Tradução de Carlos Santos para esquerda.net

Artigos relacionados: 

Sobre o/a autor(a)

Economista, professor em El Colegio do México.
Termos relacionados Internacional
(...)