You are here

Pessoas com diabetes sem prioridade na vacinação de reforço e da gripe

A associação dos diabéticos de Portugal (APDP) reforça a importância da vacinação das pessoas com diabetes. Esta terça-feira celebra-se o centenário da primeira injeção com insulina.
Injeção de insulina - Foto de APDP
Injeção de insulina - Foto de APDP

A Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP) divulgou um comunicado na passada semana a apelar à inclusão das pessoas com diabetes nos grupos prioritários para o reforço da vacina.

A CNN Portugal alertou, citando a APDP, que as pessoas mais jovens com diabetes não foram consideradas prioritárias para a terceira dose da vacina. Trata-se de uma mudança de estratégia, para a qual a associação “não tem” explicações.

José Manuel Boavida, presidente da APDP, declarou à CNN Portugal ser “fundamental que nesta fase em que já estamos a vacinar as pessoas com 50 anos de idade entrem também as pessoas abaixo dessa idade que tenham comorbilidades, como é o caso da diabetes”.

No comunicado, a associação lembra que as pessoas com diabetes são um grupo de alto risco para as formas mais graves de infeções, incluindo a covid-19, “as suas sobreinfeções e os seus tratamentos”. João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP, diz ser “importante que seja reconhecido este risco acrescido associado à diabetes. Como tal, o reforço da vacinação nesta fase deve ser prioritário”.

As pessoas com diabetes também não estão a ser incluídas como prioritárias na vacinação da gripe. “Com a conjugação da vacina da gripe com a vacina da covid-19, todo o sistema dos centros de saúde deixou de funcionar para a vacinação dos diabéticos, e, como tal, os diabéticos mais jovens estão neste momento afastados da vacina da gripe”, indicou José Manuel Boavida. E alerta: “Neste momento, estamos todos convencidos de que esta estirpe é menos grave, mas para as pessoas vulneráveis pode ser ainda bastante complicada, como mostram os números de pessoas internadas em cuidados intensivos”.

O presidente da APDP aponta também que, desde o início da covid-19, “há claramente uma diminuição do acompanhamento das pessoas com diabetes”, quer ao nível do rastreio da retinopatia [uma das principais causas de cegueira nos diabéticos] – que, de acordo com Boavida, “praticamente” só tem sido feita pela APDP – quer ao nível da identificação do risco de pé diabético [uma infeção no pé que pode levar à amputação].

“Na maior parte das Administrações Regionais de Saúde o rastreio da retinopatia pura e simplesmente foi suspenso. (...) Obviamente haverá outras situações com a diminuição da capacidade de acesso aos cuidados de saúde, que pode ser extremamente grave para algumas das pessoas”, salienta.

100 anos da insulina

Celebra-se nesta terça-feira, 11 de janeiro de 2022, os cem anos da primeira injeção de insulina. A 11 de janeiro de 1922, Leonard Thompson, um jovem canadiano, que tinha 13 anos na altura, recebeu a primeira insulina da História. Esta terça-feira às 18h realiza-se um evento zoom no facebook dedicado a uma celebração conjunta.

Termos relacionados Sociedade
(...)