You are here

“Odemira é a ponta do icebergue que se repete por todo o país agrícola”

A deputada Beatriz Gomes Dias relembrou no Parlamento que os alertas que o Bloco de Esquerda, as organizações de defesa dos direitos das pessoas migrantes, investigadores e ativistas têm feito sobre "as condições em que estas pessoas são obrigadas a viver e a trabalhar”.
Beatriz Gomes Dias
Beatriz Gomes Dias

Na sua intervenção, a deputada recordou também que em março o Bloco questionou o Governo e a Câmara Municipal sobre a situação dos trabalhadores agrícolas em Odemira.

Beatriz Gomes Dias denunciou o “modo de produção agrícola superintensiva” com objetivo de lucro imediato e efeitos alarmantes no ambiente e no tecido social e defendeu a aplicação de uma moratória à instalação ou expansão de explorações agrícolas no Perímetro de Rega do Mira.

“Várias associações ambientalistas e organizações locais têm alertado para os riscos que acarreta esta atividade agrícola intensiva. A associação ZERO, por exemplo, alega que ela pode ‘potenciar o uso excessivo de fertilizantes e de fitofármacos e a degradação do solo e da qualidade da água’ para além de um ‘forte impacte visual numa área de turismo de natureza’, afirmou a deputada.

Beatriz Gomes Dias defendeu ainda que deve ser aplicada uma moratória à instalação ou expansão de explorações agrícolas no Perímetro de Rega do Mira, até que se encontrem soluções ambientais e sociais adequadas e que quem recebe dinheiros públicos não pode ter trabalho temporário e alojar trabalhadores em habitações ilegais. E, que deve ser revogada a resolução do Conselho de Ministros n.º 179/2019, que “legaliza a habitação ilegal, promove a guetização destes trabalhadores, isolando-os do tecido social das localidades mais próximas, negando-lhes condições dignas de habitação e dificultando o seu acesso ao espaço urbano, a transportes e a serviços públicos”.

 

1139376546489151

Termos relacionados Política
(...)