You are here

Obstetrícia do Hospital de Setúbal: “Problema não só se mantém como se tem agravado”

Esta semana, a urgência de obstetrícia do Hospital de São Bernardo esteve encerrada durante 24 horas devido à falta de médicos. Sindicato Independente dos Médicos alerta que o SNS não tem possibilidade de competir com os privados na contratação dos novos especialistas.
Foto publicada no portal do SNS.

A situação é crónica, “o problema não só se mantém como se tem agravado”, aponta o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) em comunicado.

A estrutura sindical explica que, “de um quadro de pessoal que deveria estar dimensionado para 23 médicos, apenas existem 11”. E, “desses, oito têm mais de 55 anos mas continuam solidariamente a fazer urgências”. Acresce que está prevista a aposentação de cinco médicos até ao final do ano.

De acordo com o SIM, a administração do Hospital de São Bernardo “tem-se manifestado disponível para contratar médicos”. O problema é que “não há interessados”.

“Há muita oferta de múltiplos hospitais. O SNS não tem possibilidade de competir com os hospitais privados e PPPs [parcerias-público-privadas] na contratação dos novos especialistas”, esclarece a estrutura sindical.

De facto, “com as condições atuais de oferta do SNS, os concursos de Ginecologia/Obstetrícia no Hospital de Setúbal têm ficado desertos, pela baixa remuneração oferecida e pela sobrecarga de trabalho provocada por uma equipa reduzida em elementos. A quem interessa esta situação?”, questiona o SIM.

A urgência de obstetrícia do Hospital de São Bernardo, em Setúbal, está encerrou às 9h da manhã de quarta-feira, e durante 24 horas, devido à falta de médicos desta especialidade.

"É uma questão pontual, por falta de recursos humanos", avançou o gabinete de comunicação do Centro Hospitalar de Setúbal.

Termos relacionados Sociedade
(...)