You are here

“O que está em cima da mesa fica aquém das necessidades do país”

O ministro das Finanças apresentou aos partidos as linhas gerais do Orçamento do Estado de 2020. Pedro Filipe Soares sublinhou “dificuldades” na negociação e apontou como prioridades reposição de rendimentos, direitos e baixa de preço de bens de primeira necessidade, como a energia.
Pedro Filipe Soares à saída de reunião com Mário Centeno. Dezembro de 2019.
Pedro Filipe Soares à saída de reunião com Mário Centeno. Dezembro de 2019. Foto de Mário Cruz/Lusa.

“É essencial que este Orçamento tenha um processo de continuidade na reposição de rendimento”. Assim fixou o líder parlamentar do Bloco de Esquerda o centro do que está em causa na negociação sobre o orçamento de Estado para 2020.

Pedro Filipe Soares considerou que o que Mário Centeno trouxe para cima da mesa esta terça-feira “fica aquém das necessidades do país” e esclareceu que o partido já identificou publicamente quer as prioridades, quer as dificuldades que se apresentam neste processo.

O dirigente bloquista adiantou que, para se concretizar a continuidade na reposição de rendimentos, “a parte salarial e a parte fiscal devem ir a par para garantir mais rendimento às pessoas”. E acrescentou que o partido considera igualmente “essencial” que o próximo Orçamento do Estado “confirme um caminho de recuperação de direitos”. Assim, deve haver “o reconhecimento de direito a quem trabalhou uma vida inteira, ter a capacidade de ter uma vida mais desafogada”. E também “a garantia de que bens de primeira necessidade, como é o caso da energia, deixem de ser tão onerosos como são atualmente no nosso país”.

Sobre as prioridades do Bloco, Pedro Filipe Soares não quis deixar de dizer que “nestas matérias, ainda não conseguimos chegar a patamares de entendimento com o governo”, mas destacou que este “não é um processo fechado", já que "ainda faltam alguns dias até à entrega do Orçamento", havendo posteriormente "um processo de especialidade”.

Termos relacionados Política
(...)