You are here

O espetáculo do acolhimento: sobre o deslocamento ucraniano e a empatia seletiva nas fronteiras da Europa

É importante ir além das avaliações moralizantes da atual resposta europeia à deslocação ucraniana, e refletir sobre a forma como os Estados interpelam as pessoas que se deslocam através das fronteiras relativamente a economias morais e políticas específicas. Artigo de Céline Cantat.
Foto de Alec Wolve/WeHoCity/Flickr

Desde o início da ofensiva russa na Ucrânia em 24 de fevereiro, mais de 5 milhões de pessoas já se registaram para programas de proteção temporária e outros mecanismos em toda a Europa. De um modo geral, foi concedido aos ucranianos acesso à assistência, e estatutos legais alargados que lhes permitem entrar e estabelecer-se nos Estados Membros da UE. Embora esta generosidade invulgar da parte dos Estados europeus deva ser aplaudida, deu origem a uma série de questões sobre o tratamento diferenciado dos ucranianos em comparação com outros grupos deslocados. Como resultado desta configuração, as muitas questões em torno do envolvimento com o deslocamento ucraniano têm sido principalmente enquadradas em termos comparativos: Como têm sido recebidos os ucranianos em comparação com os refugiados que chegaram em 2015? Porque é que os ucranianos foram autorizados a estabelecer-se na Europa quando há milhares presos na fronteira Bielorrússia-Polónia? Porque é que os não ucranianos que fogem da Ucrânia têm sido tratados de forma diferente? Consequentemente, o debate público foi largamente dominado por apelos à inclusão de ucranianos, subitamente considerados como sendo da própria Europa, ladeados por denúncias da indignação seletiva da UE como hipócrita e racista.

Para além das respostas oficiais dos Estados e das suas instituições, as reações cidadãs e das organizações de base também foram polarizadas nessas linhas. Quando, no início de março de 2022, visitei as estações ferroviárias de Budapeste, onde uma série de ONG e redes de moradores se reuniam para acolher pessoas em fuga da Ucrânia, a questão das qualidades específicas e das características percecionadas das pessoas que chegavam era central para as conversas. Um voluntário duma ONG da Igreja Húngara, apontando na direção de uma mulher e dos seus três filhos, declarou: "Olha, eles estão cansados, são mulheres e crianças vulneráveis: eles são os verdadeiros refugiados". Prosseguiu explicando que também saiu para ajudar as pessoas que passavam por Budapeste no Verão de 2015, embora, segundo ele, muitos na altura não fossem refugiados, mas sim "migrantes ou terroristas islâmicos". Quando salientei que, tanto quanto sei, o que identificava legalmente um refugiado era o conflito ou a perseguição de que fugiam, em vez de noções indefinidas de valor ligadas ao seu género, idade ou religião, respondeu que algumas pessoas mereciam asilo, enquanto outras não o mereciam.

Claramente, o discurso reiterado por alguns dos voluntários em Budapeste foi além dos seus sentimentos pessoais: foi construído sobre categorias produzidas pela fronteira europeia e pelo regime de asilo durante as últimas três a quatro décadas. A sua pedra angular é a construção meticulosa de uma separação entre refugiados (merecedores) e migrantes (indesejáveis). Dentro da categoria dos refugiados existe uma hierarquização adicional de merecimento, com diferentes tipos de assistência (por exemplo, reinstalação na UE versus ajuda humanitária no estrangeiro) a serem alargados com base na caracterização racializada da sua capacidade de integração na comunidade imaginada da Europa. No contexto volátil da "crise migratória" declarada na região em 2015, este discurso ganhou centralidade na Hungria e noutros países da Europa Central e Oriental. As injunções para distinguir entre "maus migrantes" e "bons refugiados" tornaram-se articuladas com regimes locais de valorização social e as suas hierarquias racializadas, baseadas no género, na classe e na religião, no contexto das transições capitalistas regionais. Isto está intimamente ligado aos seus próprios caminhos de "europeização": os países do antigo bloco de Leste foram desigualmente incluídos nas suas divisões regionais do trabalho, e foram eles próprios sujeitos a dinâmicas racializantes. "Tornar-se europeu" tem implicado pretensões de superioridade, modernidade e brancura, que levaram a uma nova marginalização de vários grupos - tanto domésticos como de fora - e deram origem a formas articuladas de racismo.

Por outras palavras, o tratamento desigual dos diferentes grupos deslocados não é novo e não acontece num vácuo: mesmo que o refugiado, enquanto construção legal, reivindique ser uma figura universal, na realidade está sempre inserido nas relações sociais locais. Muito pelo contrário, um exame de longa duração da relação entre os Estados e a deslocação mostra que sempre foi uma história de envolvimento seletivo: sistematicamente, a forma como os Estados se envolvem com certos grupos ensina-nos mais sobre os seus projetos e arquiteturas políticas do que sobre os próprios indivíduos deslocados. Por conseguinte, é importante ir além das avaliações moralizantes da atual resposta europeia à deslocação ucraniana, e refletir sobre a forma como os Estados interpelam as pessoas que se deslocam através das fronteiras relativamente a economias morais e políticas específicas, elas próprias sustentadas por projetos mais amplos como a construção de nações e a acumulação de capital. Nesta perspetiva, as questões levantadas pelo deslocamento ucraniano na Europa tornam-se estas: em que circunstâncias é que os Estados acolhem ou rejeitam as pessoas deslocadas? Como é que o acolhimento de refugiados é moldado por processos históricos mais vastos e pelo seu legado, incluindo a construção do Estado, a expansão do capital e projetos relacionados, tais como a dominação colonial? Como é que as hierarquias morais e as construções de raça, género, classe e religião, nos estados e nações de acolhimento, estruturam as respostas ao deslocamento?

Política de Estado e o espetáculo de receção

Como tenho argumentado noutros lugares (Cantat 2015), o refugiado enquanto categoria e figura é moldado e feito de formas que são inerentes à promoção dos objetivos dos Estados. O meu ponto de vista não é que os enquadramentos formais determinem em demasia as respostas ao deslocamento. No entanto, as iniciativas informais ainda respondem a regimes de acolhimento discursivos e políticos dominantes: o espaço para respostas criativas permanece moldado pela sua oposição e denúncia das estruturas de poder dominantes. Para refletir mais sobre os paralelos e contrastes entre as atuais respostas ao deslocamento ucraniano e o envolvimento com episódios anteriores de mobilidade forçada, irei refletir sobre episódios específicos de deslocamento e avaliar como a figura do refugiado tem sido construída historicamente. Esta historicização ajudar-nos-á a compreender as diferenças e semelhanças nos mecanismos de interpelação dos Estados de diferentes grupos, tanto ao longo do tempo como entre categorias.

Um exemplo clássico na história recente de como a categoria do refugiado foi moldada pelas circunstâncias dos Estados pode ser encontrado na própria Convenção de Genebra. Apresentada como um texto com validade universal a fim de proteger as pessoas que fogem de perseguições, a definição de refugiado (re)produz de facto uma figura muito específica: a de um homem que foge da URSS no contexto da Guerra Fria com o objetivo de se juntar ao Ocidente capitalista. Os critérios restritivos delineados na Convenção relativamente ao estatuto de refugiado revelam-se constantemente inadequados para proporcionar proteção adequada às pessoas que fogem de uma série de situações violentas. Em primeiro lugar, é claro, aqueles que fogem da violência económica e da devastação, consideradas fora do âmbito do asilo. Mas também aqueles que fogem de diferentes configurações de perseguição política e social que não obedecem à visão do mundo que está na base da Convenção.

Voltando às deslocações do passado, coisa em que, como notou Philip Marfleet (2007), nem os historiadores nem os estudiosos dos refugiados são particularmente bons por diferentes razões, permite-nos afirmar ainda mais claramente que as histórias dos exílios são sempre sustentadas pelas exigências dos Estados de hospitalidade ou hostilidade a diferentes grupos. Além disso, nem a hospitalidade nem a rejeição são circunstâncias homogéneas, e os Estados podem muitas vezes estar prontos para acolher refugiados sem os acolher realmente, por exemplo, permitindo que as pessoas se integrem nos mercados de trabalho, ao mesmo tempo que encorajam os discursos de exclusão ou lhes recusam estatutos e proteções legais. As construções discursivas de populações deslocadas cruzam-se tanto com os regimes de avaliação como com as hierarquias sociais que estruturam as arquiteturas biopolíticas dos Estados anfitriões, ou seja, os regimes de raça/género/classe (etc.) quando articulados com a geopolítica e as relações interestatais a cada momento.

Um exemplo importante disto pode ser encontrado nas histórias dos deslocamentos de Huguenot nos séculos XVI e XVII. A fuga de 200.000 Huguenotes para Genebra, Holanda e Inglaterra, por temerem perseguições por parte das autoridades católicas absolutistas francesas da época, é frequentemente vista como um dos primeiros episódios de refúgio contemporâneo, não porque os Huguenotes tenham sido o primeiro grupo a fugir de um território devido à violência, mas porque foram expulsos por um projecto estatal e recebidos por outros Estados que se definiam contra isso. Entende-se que a palavra "refugiado" entrou na linguagem vernácula pela primeira vez durante este episódio. Os Estados emergentes ingleses e holandeses promoveram a abertura aos refugiados, que vieram de meios comerciais relativamente ricos, incluindo o tráfico de escravos, e espetacularizaram a sua atitude de acolhimento como prova do seu apego ao liberalismo e à liberdade religiosa. Esta auto-apresentação foi fulcral para a sua oposição ao Estado absolutista francês. Em Inglaterra, enquanto fontes históricas mostram uma hostilidade popular generalizada contra os Huguenotes, o Estado empenhou-se numa campanha de simpatia em massa, explicando às pessoas que acolher Huguenotes era uma questão de orgulho nacional e de defender, de facto, valores de tolerância.

O discurso da irmandade foi também enquadrado em termos de proximidade religiosa. Mas tais categorias de pertença não são estáticas. São insuficientes para compreender atitudes de acolhimento: precisamos de reconhecer a racialização, legitimação e diferenciação como processos dinâmicos e contingentes que evoluem ao longo do tempo e de acordo com as circunstâncias políticas. De facto, 50 anos mais tarde, os Palatinos, outro grupo de protestantes em fuga da Alemanha, procuravam refúgio em Inglaterra. Vindos de um estado formalmente aliado e protestante, foram recebidos com grande hostilidade. Muitos foram colocados no que se crê serem os primeiros campos de refugiados da Inglaterra contemporânea, ao longo do Tamisa, antes de serem reinstalados na Irlanda e na América Britânica. Um debate político altamente polarizado com argumentos semelhantes aos que agora ouvimos sobre os méritos da migração e a (im)possibilidade de integração emergiu na Inglaterra na altura. Isto sublinha que não há nada de novo ou específico sobre o tratamento desigual dos diferentes grupos deslocados. Mostra também que a empatia seletiva nos diz muito pouco - talvez nada - sobre os grupos em si, as suas circunstâncias, necessidades ou características: seria enganador tentar identificar as razões para este tratamento diferenciado em qualidades específicas dos indivíduos. O que está sempre em jogo, na relação entre as autoridades estatais e as pessoas deslocadas, são as várias formas de política de Estado e de poder de Estado.

A famosa noção de "espetáculo de fronteira", que Nicholas de Genova (2013) utilizou para examinar a forma como a exclusão é encenada na fronteira para mostrar o Estado como protetor de um público nacional que é simultaneamente coeso, já nos ensinou muito sobre como a tríade nação/estado/cidadão é produzida em relação ao deslocamento, exílio, e fronteiras. Observações semelhantes podem ser extraídas de outros episódios onde o acolhimento e a hospitalidade se tornam espetaculares por parte das autoridades estatais. As questões que temos de nos colocar para compreender a empatia seletiva nunca são sobre se as pessoas merecem ou não um tratamento melhor, mas sempre sobre como a sua inclusão ou rejeição promove projetos estatais específicos a qualquer momento.

O deslocamento ucraniano e pertença europeia

No caso do deslocamento ucraniano, os discursos sobre a Europa, brancura e pertença europeia garantiram às pessoas o acesso a condições de acolhimento razoáveis. Neste contexto, as práticas de acolhimento de base também têm sido numerosas, diversas e consistentes. Têm sido capazes de se afirmar publicamente de formas que foram totalmente proibidas e impossíveis em outros episódios de deslocamento, que foram muitas vezes caracterizados pela criminalização da ajuda informal. Isto, juntamente com a adoção de quadros legais que permitem aos ucranianos que fogem da Ucrânia (mas nenhum outro grupo!) atravessar as fronteiras nacionais da UE e escolher onde se instalar, pode ser aplaudido não só como um conjunto de políticas excecionalmente acolhedoras mas, de facto, como a primeira abordagem devidamente coerente que a UE alguma vez adotou em relação ao deslocamento. Esta é uma mudança bem-vinda da resposta de securitização geralmente reservada aos que procuram asilo, que não é apenas caótica mas também, em muitas ocasiões, letal.

Existem, no entanto, questões sérias a considerar quando olhamos para a forma como os ucranianos estão a ser recebidos na Europa. Em primeiro lugar, a ativação de regimes de proteção temporária não significou o acesso a regimes de asilo regulares (e mais protetores). Em segundo lugar, em toda a Europa, o grosso do trabalho de acolhimento tem sido delegado em redes cidadãs e organizações de pequena escala. Este é o resultado de décadas de subcontratação neoliberal de responsabilidades públicas a entidades privadas. Esta delegação contínua de responsabilidade significou o renascimento das redes de ajuda formadas em 2015: a flexibilidade e a capacidade de resposta destas estruturas mais soltas, facilmente reativadas através de redes sociais, foi crucial para a execução de atividades de acolhimento nas primeiras semanas do conflito. Contudo, como em todo o lado, a capacidade da sociedade civil para preencher as lacunas deixadas pela retirada dos Estados tem os seus limites óbvios. Já estamos a ver como a maré está a mudar, com os voluntários a ficarem menos dispostos a acolher os deslocados nas suas casas e cansados das atividades diárias de assistência. Na ausência de uma resposta coordenada do Estado, isto só pode piorar.

Como vimos na Grécia, por exemplo, não há maneira mais eficiente de transformar a simpatia popular em hostilidade do que deixar uma situação piorar sem que os Estados forneçam apoio adequado tanto aos exilados como às comunidades de acolhimento. É importante notar que, embora as atividades de apoio de base nem sempre reproduzam as categorias governamentais desenvolvidas pelos estados e instituições, produzem e movimentam-se sempre no sentido de que a prática da solidariedade é complicada em contextos de recursos limitados (Cantat 2018, 2020, 2021). Os dilemas distributivos envolvem sempre representações, tipologias e economias morais, onde (conscientemente ou não) a merecimento das pessoas é avaliado por aqueles que têm de decidir quem e como ajudar em contextos específicos.

De facto, não há nada inerentemente progressista na assistência de base em comparação com o apoio estatal ou o sector da ajuda formal: tais iniciativas seguem a sua própria política e ética, constroem sociabilidades específicas e respondem a circunstâncias diferentes. Muitas vezes, quando essas circunstâncias não são esclarecidas, por exemplo, quando as pessoas são levadas a ajudar por desejos não esclarecidos de fazer o bem, o apoio informal pode alimentar relações de poder extremamente desequilibradas e desiguais. Estas podem ser ainda mais difíceis de contestar, uma vez que ocorrem fora de uma relação de ajuda formalizada, onde os papéis são claramente definidos e distribuídos: podem ser acompanhadas de poderosos discursos que neutralizam a crítica, quer se trate de caridade religiosa, reivindicações de horizontalidade, ou pedidos de gratidão. Mesmo quando as relações são clarificadas, é difícil escapar à combinação e hibridização nas práticas de solidariedade: fazer políticas boas e progressistas geralmente andam de mãos dadas e isto pode tornar muito vulneráveis as pessoas que são objeto de ajuda.

Esta vulnerabilidade torna-se mais problemática porque os cidadãos dos países de acolhimento foram levados a prestar assistência aos ucranianos em nome de imperativos morais, e não porque é considerado um serviço público que os Estados devem prestar às pessoas com base nos seus estatutos. Se os ucranianos estão agora a ser apoiados em nome de alguma construção precária de pertença europeia, então levanta-se a questão: por quanto tempo é que os ucranianos permanecerão tão brancos? A europeização não é uma condição homogénea e estável: a UE criou matizes de pertença europeia onde a Europa Oriental sempre foi vista como menos pertencente, menos europeia, e de alguma forma menos legítima - mesmo para os países que se tornaram estados membros. O exemplo da campanha do Brexit é só mais um aviso de quão forte permanece o racismo intra-europeu.

No atual contexto da mobilização da UE contra a Rússia, a europeização dos ucranianos é fortemente afirmada, mas também pode ser atenuada, questionada, ou sacrificada quando a geopolítica evoluir. Se assim for, a falta de apoio estatal adequado e a confiança excessiva na assistência popular tornar-se-ão altamente problemáticas. Já vemos processos de inclusão diferenciada a desenvolverem-se com questões em torno do tipo de acesso que os ucranianos têm às diferentes esferas sociais: por exemplo, na Hungria, não são necessárias autorizações de trabalho para certos tipos de empregos onde há escassez - na sua maioria manuais, no sector agrário e da restauração, mas também nas tecnologias da informação. De facto, isto reitera padrões anteriores de migração laboral, em que a mão-de-obra ucraniana racializada foi permitida no país a fim de servir indústrias específicas.

O rumo em que a instrumentalidade ucraniana para as estruturas ideológicas e económicas da UE irá evoluir está longe de ser evidente. Acima de tudo, a situação exige que insistamos na continuidade da solidariedade no terreno de um verdadeiro internacionalismo de base e que continuemos a exigir o apoio público a todos os grupos deslocados.


Céline Cantat é Professora Visitante em Estudos Migratórios e Diretora Académica do Mestrado em Política Ambiental e em Transições Energéticas na Escola de Relações Internacionais de Paris, Sciences Po. Artigo publicado em Focal Blog - Journal of Global and Historical Anthropology. Traduzido por Luís Branco para o Esquerda.net.


Bibliografia:

Cantat, Céline (2021) “Refugee Solidarity Along the Balkan Route”, Journal of Refugee Studies, 34 (2), 1348–1369.

Cantat, Céline (2020) “The Rise and Fall of Migration Solidarity in Belgrade”, movements. Journal for Critical Migration and Border Regime Studies, 5 (1), http://movements-journal.org/issues/08.balkanroute/05.cantat–the-rise-and-fall-of-migration-solidarity-in-belgrade.html.

Cantat, Céline (2015) “Contesting Europeanism: Discourses and Practices of Pro-Migrant Groups in the European Union”. PhD Thesis, roar.uel.ac.uk/4618/  

Cantat, Céline (2018) “The politics of refugee solidarity in Greece: Bordered identities and political mobilization”, MigSol Working Paper, 2018/1, https://cps.ceu.edu/sites/cps.ceu.edu/files/attachment/publication/2986/cps-working-paper-migsol-d3.1-2018.pdf

De Genova, Nicholas (2013) “Spectacles of migrant ‘illegality’: the scene of exclusion, the obscene of inclusion”, Ethnic and Racial Studies, 36 (7), 1180-1198,

Marfleet, Philip (2007) “Refugees and History: Why We Must Address the Past”, Refugee Survey Quarterly, 26 (3), 136–148.

 

Termos relacionados Internacional
(...)