You are here

Nova Secretaria de Estado da Habitação "poderá ser um avanço, mas não chega”

Catarina Martins apresentou em Bragança a candidatura de José Freire à Câmara Municipal e defendeu mais investimento público na habitação.
Catarina Martins na apresentação da candidatura do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Bragança. Foto esquerda.net

“Gostaríamos de pensar que é um sinal de que aquilo que já discutimos poderá ter avanços, mas na verdade não chega”, afirmou Catarina Martins, sublinhando que  o importante são as políticas que serão desenhadas para a habitação com a criação da nova secretaria de Estado feita pelo Governo. A coordenadora do Bloco apontou que os incentivos “à reabilitação urbana” não são suficientes e que é preciso pensar num conjunto de políticas mais vastas para uma “reabilitação que crie uma regeneração urbana”.

Catarina Martins referiu que reabilitar serve apenas para ter os “os centros das cidades bonitos, como uma vitrina para as visitas verem”. Concretizou que regenerar “os centros das cidades é ter gente que trabalha e vive nas cidades”. E que a oferta na habitação deve ser a “preços justos e não preços especulativos”.

A coodenadora bloquista lembrou que falta concretizar a promessa do Governo de haver “investimento público na habitação para que os preços sejam comportáveis face aos salários e as pensões em Portugal” E destacou ainda as carências existentes no interior do país e deu o exemplo de Bragança, concelho, onde ainda existem aldeias sem saneamento básico.

João Freire: “Existe uma política nacional de interioricídio

José Freire, candidato do Bloco de Esquerda à câmara de Bragança, afirmou que sempre que se fecham serviços públicos no interior do país, o Governo está a cometer “Interioricídio”. “Existe uma política nacional de interioricídio, reforçou o candidato, acrescentando que o interior do país continua esquecido pelo poder central.

A palavra escolhida pelo sindicalista e candidato do Bloco serviu de mote para apresentar as prioridades da candidatura do Bloco à autarquia de Bragança. José Freire pretende “resgatar” os serviços municipais entregues a privados, a reabilitação de edifícios do centro da cidade para habitação social e reabertura de serviços de saúde encerrados nos últimos anos.  

A candidatura à Assembleia Municipal é encabeçada por Catarina Assis, enfermeira e dirigente da distrital do Bloco de Bragança.

 

Termos relacionados Autárquicas 2017, Política
(...)