You are here

Netanyahu diz que anexará Cisjordânia dentro de “um par de meses”

O primeiro-ministro israelita diz esperar que Trump honre a promessa de apoiar anexação. Acordo de governo com Gantz prevê a medida. Para os palestinianos, isto significa o fim dos acordos de paz.
Netanyahu e Mike Pence, o vice-presidente dos EUA encontram-se em Israel em janeiro deste ano.
Netanyahu e Mike Pence, o vice-presidente dos EUA encontram-se em Israel em janeiro deste ano. Foto Embaixada dos EUA em Israel/Flickr.

O novo governo de Israel não traz alterações ao nível da sua política para a Palestina. Os dois rivais, Netanyahu e Gantz, mediram forças em sucessivas eleições que não desfizeram o impasse político no país. Acabaram por fazer um acordo para um “governo de emergência” em que se revezarão no cargo de primeiro-ministro. Uma das cláusulas deste acordo, avançada na segunda-feira passada, é precisamente a anexação de “partes da Cisjordânia” se os EUA concordarem.

Netanyahu tratou agora de fazer saber que a medida é mesmo para avançar. Numa sessão online com cristãos evangélicos, no domingo, transmitida pelos canais religiosos CBN e Revelation TV, mostrou-se seguro de que Trump estará do seu lado. “Dentro de um par de meses, estou confiante que a promessa [de Trump] vai ser honrada, que poderemos celebrar outro momento histórico na história do Sionismo”, disse.

O que é novidade é a alteração de posição de Benny Gantz. Depois de ter jurado que queria tirar Netanyahu do poder e de se ter tornado num suporte para a sua manutenção, também sobre o tema da anexação o líder dos “azuis e brancos” fez uma reviravolta. Antes defendera que só apoiaria uma medida deste género no caso, impossível, de haver uma aceitação internacional e ao mesmo tempo dos palestinianos. O Partido Trabalhista, que também apoiou a nomeação do governo, diz que poderá votar contra a anexação no Parlamento. Ainda que a medida fosse votada no Parlamento, o que não é dado como certo, e que estes dois partidos optassem por um sentido de voto diferente do governo que apoiam, esta passaria na mesma.

Do lado palestiniano, a resposta é a indignação. O presidente da Autoridade Palestiniana, Abbas, declarou na quarta-feira que o povo palestiniano “não vai deixar-se algemar se Israel anexar alguma parte da nossa terra.” Avançar para isso seria, alega, “cancelar completamente” os acordos estabelecidos.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, tinha já dado, na quarta-feira passada, luz verde para uma anexação, ao declarar que “em último caso é uma decisão de Israel”. Por outro lado, a União Europeia voltou a declarar, esta sexta-feira, que se opõe à tentativa de anexar a Cisjordânia. Os colonatos de Israel na Cisjordânia são considerados ilegais de acordo com a Convenção de Genebra. Israel ocupou estes territórios e, desde então, tem implementado uma política agressiva de colonização que faz com que haja, atualmente, cerca 400 mil colonos.

Termos relacionados Internacional
(...)