You are here

Memórias: George Rodger  

No dia 24 de julho de 1995, morreu George Rodger. Foi um fotógrafo britânico, cujo trabalho teve grande projeção. Foi um dos fundadores da agência "Magnum Photos". Por António José André.
As suas reportagens a cores do Sahara, dos tuaregues e da vida animal, foram publicadas pela revista "National Geographic". O seu trabalho teve grande projeção. George Rodger morreu no dia 24 de juho de 1995.
As suas reportagens a cores do Sahara, dos tuaregues e da vida animal, foram publicadas pela revista "National Geographic". O seu trabalho teve grande projeção. George Rodger morreu no dia 24 de juho de 1995.

George Rodger nasceu no dia 19 de março de 1908, em Hale (Grã-Bretanha). Era um fotógrafo autodidata que pretendia ser escritor, sentindo necessidade de retratar o mundo tal como era. 

Depois de concluir os estudos, Rodger alistou-se na marinha mercante britânica com a intenção de viajar. Nessa altura, começou a escrever sobre viagens e comprou uma câmara de bolso Kodak para ilustrar as histórias. 

Em 1929, já tinha dado a volta ao mundo 3 vezes, mas não tinha encontrado alguém interessado em publicar as suas histórias. Depois de um período difícil nos EUA, trabalhou como fotógrafo para a revista "The Listener". 

Mais tarde, Rodger colaborou com a "Black Star Agency, publicando fotografias na "Tattler", "Sketch", "Bystander" e "Illustrated London News". As suas fotografias chamaram a atenção dos responsáveis da revista "Life". 

Com o começo da Segunda Guerra Mundial, tornou-se correspondente de guerra da revista americana "Life". Entre 1939 e 1945, visitou mais de 60 países, fazendo a cobertura de 18 combates e campanhas de guerra. 

Os trabalhos mais importantes de Rodger foram: os bombardeamentos de Londres, a libertação de Burma, a batalha de Monte Cassino, a libertação de Paris e a libertação do Campo de Concentração de Bergen-Belsen.

Rodger foi um dos primeiros fotógrafos a entrar no Campo de Concentração de Bergen-Belsen. As fotos que tirou aos sobreviventes e a montes de cadáveres foram publicadas nas revistas "Time" e "Life". 

Essas fotos acabaram por ser uma das maiores provas do que acontecia nos campos de concentração da Alemanha nazi. Essa experiência marcou-o muito e Roger abandonou a carreira de fotógrafo de guerra.

Então resolveu explorar o mundo, indo para desertos, florestas e várias partes do mundo. O seu trabalho de documentação de pessoas de África e do Médio Oriente ilustraram várias revistas e livros do mundo.

Em 1947, Rodger juntou-se a Robert Capa, Cartier-Bresson e David Seymour para criar a agência "Magnum Photos", onde foi Vice-Presidente. Até à década de 80, fez mais de quinze viagens a África. 

As suas reportagens a cores do Sahara, dos tuaregues e da vida animal, foram publicadas pela revista "National Geographic". O seu trabalho teve grande projeção. George Rodger morreu no dia 24 de juho de 1995.

Termos relacionados Cultura
(...)