You are here

Manuel Pinho volta a ser arguido no caso EDP

O Tribunal da Relação de Lisboa anulou o despacho do juiz Ivo Rosa que tinha retirado o estatuto de arguidos ao ex-ministro da Economia e ao ex-diretor geral da Energia, Miguel Barreto.
António Mexia e Manuel Pinho.
António Mexia e Manuel Pinho. Foto Estela Silva/Lusa

Manuel Pinho e Miguel Barreto tinham deixado em maio de 2018 de ser arguidos no processo que investiga suspeitas de corrupção envolvendo a EDP, o Grupo Espírito Santo e figuras com poder de decisão política no ramo da energia. A nulidade foi decretada pelo juiz de instrução do processo, Ivo Rosa, e o Ministério Público recorreu.

Esta quinta-feira foi conhecida a decisão do Tribunal da Relação de Lisboa, que decidiu anular a decisão do juiz, alegando que Ivo Rosa não teria competência para o fazer naquela fase do processo, já que “a competência para apreciar nulidades/irregularidades ocorridas em fase de inquérito pertence ao Ministério Público”.

Segundo a agência Lusa, os juízes da Relação de Lisboa entenderam que a intervenção de Ivo Rosa podia até justificar-se no caso em que estivesse em causa a defesa de direitos, liberdades e garantias constitucionalmente protegidos. Mas tanto Manuel Pinho como Miguel Barreto tinham visto ser-lhes aplicada a medida de coação mais leve — o Termo de Identidade e Residência —, “não representando qualquer limitação no direito ou liberdade de se deslocar”, sublinham os juízes.

Os dois arguidos contestaram ainda o facto de não lhes ter sido dada a oportunidade de prestar declarações nem conhecimento de todos os factos e provas contra si naquele processo.

Manuel Pinho e Miguel Barreto prestaram entretanto depoimentos à Comissão Parlamentar de Inquérito, que concluiu que o antigo ministro da Economia do PS terá combinado com o presidente da EDP, António Mexia, a realização do protocolo entre a empresa e a Universidade de Columbia, que por sua vez convidou Pinho para ali dar aulas.

Quanto ao ex-diretor-geral de Energia, nomeado por Durão Barroso em 2004 e que se manteve no cargo até 2008, foi depois acionista de uma empresa do setor que tutelou, vendendo-a em seguida à EDP. A edição de sábado passado do Expresso revelou que Miguel Barreto domina atualmente as licenças de produção de energia solar, detendo um terço da capacidade solar licenciada pelo atual governo.

Termos relacionados Rendas da energia, Sociedade
(...)