You are here

Lucros das empresas corticeiras deveriam refletir-se em aumentos salariais

Segundo o deputado bloquista Moisés Ferreira, "um dos principais operadores da indústria da cortiça é o Grupo Amorim, e esse tem registado grandes lucros anuais, mas o salário dos trabalhadores não tem correspondido a esse aumento".

Moisés Ferreira reuniu esta segunda-feira com o Sindicato dos Operários Corticeiros do Norte, em Santa Maria da Feira. Naquele que foi o primeiro de uma ronda pelas principais indústrias do distrito de Aveiro, o dirigente do Bloco sublinhou que é certo que há “uma política de aumento do salário mínimo a nível nacional”, acrescentando, contudo, que, “para melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores, queremos analisar também como está o mercado em termos de precariedade, como está o uso e abuso dos estágios e contratos de emprego e inserção, se a contratação coletiva está a aumentar ou diminuir e se o trabalho é a tempo inteiro ou parcial, porque tudo isto tem impacto nos direitos dos trabalhadores".

O deputado lembrou ainda que "um dos principais operadores da indústria da cortiça é o Grupo Amorim, e esse tem registado grandes lucros anuais, mas o salário dos trabalhadores não tem correspondido a esse aumento".

Durante a ronda de reuniões com os principais sindicatos do distrito de Aveiro, Moisés Ferreira pretende avaliar que direitos foram retirados aos trabalhadores durante o governo PSD/CDS, com vista à sua reposição.

"As indemnizações por despedimento foram brutalmente reduzidas durante o governo da direita e queremos saber que impacto é que isso teve na liberalização do despedimento e na fragilização dos direitos dos trabalhadores", frisou.

"O trabalho é uma das áreas em que o país tem que avançar, mas para isso é preciso recuperar os direitos que se perderam e criar condições para mais emprego - e emprego com estabilidade", concluiu.

Termos relacionados Política
Comentários (1)