Lisboa: Assembleia recomenda reposição dos centros de vacinação descentralizados

14 de December 2021 - 19:19

Defendendo o regresso à "lógica de proximidade" que teve sucesso na adesão das pessoas à vacinação com maior conforto, a proposta do Bloco foi aprovada com os votos contra do PSD, PAN, CDS, MPT, Chega e Aliança votaram contra.

PARTILHAR
Foto de Paulete Matos

O Grupo Municipal do Bloco de Esquerda na Assembleia Municipal (AM) de Lisboa apresentou uma recomendação “pela reposição dos centros de vacinação descentralizados” que contou com os votos favoráveis do Livre, PEV, PCP, PS e 2 deputados independentes, com a abstenção do Iniciativa Liberal e os votos contra de PSD, PAN, Aliança, CDS, MPT e Chega.

Na recomendação, o Bloco considera que “o processo de vacinação na cidade de Lisboa funcionou bem em quatro locais que se dispersavam pela cidade, numa lógica de proximidade que, como é evidente, trazia maior conforto às pessoas e evitava grandes aglomerados de pessoas, até à decisão de concentrar tudo no espaço arrendado da FIL e no Pavilhão da Ajuda”.

Os bloquistas referem ainda que “esta decisão foi tomada, nas palavras do Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, por o «custo de ter apenas um local ser menor do que ter vários», isto apesar de ainda não ser do conhecimento público quanto custa o arrendamento do espaço da FIL, bem como outros custos, como por exemplo os valores despendidos com o transporte das pessoas que assim o solicitem”.

Para o deputado municipal bloquista Vasco Barata, “esta foi uma decisão errada, como comprova o facto de se ter chegado mesmo a suspender a vacinação num dos dias”.

Pelo contrário, afirmou o deputado na reunião, “o sistema descentralizado trazia um maior conforto às pessoas que não tinham de deslocar-se para fora da sua zona de residência e a prioridade deve ser garantir um sistema eficaz de vacinação e não diminuir os custos”.

“Esta foi também uma decisão desnecessária que criou problemas onde não existiam e junta-se outra trapalhada: o anúncio público de Carlos Moedas de que iria abrir centros de testagem que, afinal, não abriram quando prometido”, vincou Vasco Barata.

A recomendação aprovada pede que “a Câmara Municipal de Lisboa informe a Assembleia Municipal qual o custo do centro de vacinação centralizado da FIL” e que “reavalie a decisão de concentrar os centros de vacinação na FIL, retomando, o mais rapidamente possível, o anterior modelo de descentralização dos centros de vacinação pela cidade”.

Termos relacionados: PolíticaCovid-19