You are here

Líder do PPE apela à vitória eleitoral de Orbán

O presidente do partido europeu do PSD e CDS desejou que o autocrata húngaro “continue a trazer estabilidade e prosperidade” ao seu povo após as eleições marcadas para 8 de abril.
Viktor Orbán
Viktor Orbán. Foto União Europeia ©

Apesar das críticas e da proposta de sanções europeias à Hungria por causa das ameaças do primeiro-ministro Viktor Orbán à liberdade de imprensa e de expressão — ou à sua recusa em cumprir as metas de acolhimento de refugiados, promovendo em vez disso a criação de milícias nas fronteiras e ali erguendo barreiras de arame farpado —, o líder do Partido Popular Europeu, Joseph Daul, desejou esta sexta-feira felicidades ao líder do partido Fidesz e ao seu parceiro de coligação KDNP na campanha eleitoral que decorre para as legislativas de 8 de abril.

“O primeiro-ministro Viktor Orbán e os partidos da direita vão continuar a trazer estabilidade e prosperidade aos cidadãos húngaros”, afirmou o líder do partido europeu que em Portugal integra o PSD e o CDS.

O líder da direita populista da Hungria prepara-se para conseguir o seu terceiro mandato à frente do governo húngaro e a sua campanha não fugiu à habitual tónica xenófoba e antissemita: um discurso contra os imigrantes e uma suposta “invasão” de estrangeiros, apesar do número de imigrantes na Hungria ser residual (apenas 1.5% dos cerca de 10 milhões de habitantes); e uma campanha que tem por alvo o bilionário George Soros, que financia várias ONG pró-democracia e a mais prestigiada universidade húngara, ameaçada de encerramento pelo governo. Viktor Orbán descreve Soros como o autor de um plano oculto para destruir o seu país, reforçando os poderes da UE de forma a obrigar a Hungria a aceitar milhões de imigrantes.

 

A deriva de antisemitismo por parte de Viktor Orbán incluiu  espalhar milhares de outdoors com a cara de Soros e o slogan “99% recusam a imigração ilegal. Não deixemos que Soros seja o último a rir”. Os protestos da comunidade judaica húngara e de políticos europeus junto da Comissão acabaram por levar o primeiro-ministro a retirar os cartazes no verão passado, mas Soros continua a ser o principal alvo da campanha populista apoiada pelo PPE.

As sondagens dão vantagem ao partido de Orbán para as eleições de 8 de abril, seguido pelo partido de extrema-direita Jobbik e do Partido Socialista.

Termos relacionados Internacional
(...)