You are here

Lamas tóxicas nas Minas da Panasqueira preocupam autoridades

Lamas contaminadas com arsénio num local desativado das minas da Panasqueira, a 50 quilómetros da nascente do Zêzere, constituem um risco ambiental. Questionado pelo Bloco, o ministro do Ambiente reconheceu o risco mas afirmou que não é iminente.
Lavaria atual das minas da Panasqueira, na Barroca Grande. As lamas tóxicas foram detetadas num terreno desativado semelhante em Cabeço do Pião. Foto: Nuno Madeira Alves/Wikimedia Commons.
Lavaria atual das minas da Panasqueira, na Barroca Grande. As lamas tóxicas foram detetadas num terreno desativado semelhante em Cabeço do Pião. Foto: Nuno Madeira Alves/Wikimedia Commons.

A escombreira com lamas tóxicas em Cabeço do Pião, decorrente da exploração das minas da Panasqueira, não está em risco iminente de derrocada, afirmou o ministro do ambiente em resposta a um requerimento do Bloco de Esquerda sobre o assunto.

João Pedro Matos Fernandes, convocado esta terça-feira pelo Bloco para a comissão parlamentar de Ambiente, reconheceu que o se viu recentemente na SIC "é assustador". Em fevereiro, o canal emitiu um reportagem sobre elevados teores de arsénio numa barragem de lamas em Cabeço do Pião, concelho do Fundão, citando um estudo da Universidade do Porto. Um risco ambiental a 50 quilómetros da nascente do rio Zêzere, no local onde durante décadas esteve instalada a exploração das Minas da Panasqueira, tendo o terreno passado depois para responsabilidade municipal.

Segundo o ministro, o seu ministério "solicitou de imediato uma inspeção ao LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil)", mas este "não identifica como iminente uma derrocada", se bem que também "não diz que o maciço está estável".

Questionado a 12 de junho na mesma comissão sobre o assunto, o presidente da câmara do Fundão, Paulo Fernandes (PSD) referira que o município supervisiona a situação há 20 anos com a assistência da Universidade do Porto e do Instituto Superior Técnico, e que a escombreira onde se detetou arsénio "tem os seus problemas geotérmicos principais controlados" — mas lamentou a ausência de um plano de requalificação ambiental para as minas abandonadas na Panasqueira.

Na audição desta semana, o ministro Matos Fernandes referiu que é a câmara do Fundão e a empresa mineira Beralt Tin and Wolfram que têm de resolver o problema das lamas tóxicas. Para isso, afirmou, é necessário "definir a prospeção geotécnica", um "programa de observação" e elaborar "um plano de emergência, rapidamente". Aos deputados da comissão, assegurou que o Estado vai procurar "responsabilizar quem ali colocou os resíduos" e assistir a câmara no trabalho de evitar "o risco de derrocada" e a "realização de uma bacia capaz”, de forma a garantir que "não existe nenhum acidente de forma imediata".

As minas da Panasqueira laboram quase sem interrupção há 120 anos na extração de volfrâmio e cobre, tendo um forte legado na economia e história da Beira Interior.

Termos relacionados Ambiente
(...)