You are here

Juiz rejeita queixas contra Amy Goodman

A veterana repórter do Democracy Now foi acusada de invasão de propriedade e incitamento a motins por cobrir a luta contra a construção de um mega-oleoduto sobre reservas indígenas no Dakota do Norte.
Amy Goodman e os seus advogados à saída do tribunal.

“A decisão do juiz de rejeitar a tentativa do procurador acusar uma jornalista é um reconhecimento enorme da Primeira Emenda e do direito a informar”, afirmou Amy Goodman junto aos seus advogados esta segunda-feira, após ouvir a decisão num tribunal do estado norte-americano do Dakota do Norte.

Amy Goodman tinha sido acusada de invasão de propriedade privada e depois de incitamento a motins quando cobriu a manifestação contra a passagem do mega oleoduto e filmou os seguranças da empresa a atacarem os manifestantes com cães e gás pimenta. A reportagem acabou por passar nos canais de grande audiência e foi vista por milhões de pessoas.

Após o anúncio da acusação, a jornalista – que ficou célebre pela reportagem do massacre do cemitério de Santa Cruz, em Díli – decidiu entregar-se ao tribunal para responder pela acusação de invasão de propriedade privada, tendo o procurador retirado essa acusação, substituindo-a pela de incitamento a motins.

“Esta troca das acusações foram uma evidente tentativa do procurador para intimidar Amy Goodman e silenciar a cobertura da resistência ao oleoduto”, afirmou Reed Brody, um dos seus advogados.

“No dia 3 de setembro viemos cobrir esta luta épica dos povos indígenas americanos – em especial as mulheres – na primeira linha do combate não apenas ao Dakota Access Pipeline mas pela justiça climática”, afirmou Amy Goodman. A resistência ao projeto que atravessa os EUA tem sido protagonizada pelas comunidades indígenas, que também estiveram presentes esta segunda-feira no tribunal para apoiar a jornalista.

“O papel do jornalista é ir onde está o silêncio”, prosseguiu Goodman, concluindo que “todos os media deviam lá estar e queremos que todos os media aqui venham. Do que se trata aqui é do vosso direito a serem ouvidos”.

Declarações de Amy Goodman e dos seus advogados à saída do tribunal:

 

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
(...)