You are here

Jovem saharaui assassinado por colono marroquino

O assassinato de Mohamed Fadel é um exemplo da violência dos colonos marroquinos contra a população saharaui. Por Né Eme
O jovem saharaui Mohamed Fadel – Foto de adalauk.org
O jovem saharaui Mohamed Fadel – Foto de adalauk.org

Mohamed Fadel uld Jatri uld Ahnan (27 anos) foi assassinado a 10 de agosto por um colono marroquino, na cidade de Dakhla no Sahara Ocidental ocupado. O marroquino pulverizou o rosto de Mohamed com um ácido químico esfaqueando-o em seguida com uma faca. Mohamed morreu naquele dia no hospital de Dakhla. A população saharaui iniciou de imediato protestos em frente ao hospital, sendo violentamente reprimidos pelas forças de ocupação marroquinas.

Esta não é uma incidência isolada

Os colonos marroquinos, protegidos por forças do governo, têm realizando ataques contra cidadãos saharauis durante anos com impunidade quase completa. A maioria dos colonos pretendem agitar a violência e reiniciar a guerra contra os saharauis.

Os canais de telecomunicações marroquinos são uma ferramenta importante neste conflito entre marroquinos e saharauis que se vive no Sahara Ocidental, sendo amplamente utilizados para incitar a violência e ódio contra os saharauis.

No caso de Mohamed Fadel, as autoridades marroquinas criaram um vídeo onde pretendem ‘reconstruir’ o crime (ver vídeo abaixo). Os membros da família de Mohamed consideram este vídeo uma montagem por forma a criar a impressão de que o assassino foi atacado por Mohamed em primeiro lugar e que este apenas agiu em legítima defesa. "Se estivesse a agir em legítima defesa, porque tinha em sua posse acido e uma faca? Ele planeou claramente atacar o meu sobrinho ou outro saharaui. Os ocupantes marroquinos querem encobrir este crime com este vídeo ", disse o vicepresidente da CODAPSO, o Sr. Hmad Hamad tio de Mohamed à Adala Reino Unido.

O advogado saharaui Dr. Sidi Taleb Boya, em declarações à Adala Reino Unido afirma que os colonos marroquinos são um elemento-chave no plano do governo marroquino para legitimar a ocupação do Sahara Ocidental. Alteraram completamente a demografia do território e usam o governo marroquino com desculpa para a sua forte presença militar e policial no território. Alegam ser para "defender cidadãos marroquinos '. Uma situação muito semelhante à forma de agir israelita, que usa os colonos nos territórios palestinianos ocupados. Alem disso, a população marroquina no Sahara Ocidental cria uma forte pressão no sentido de incluir os marroquinos no potencial referendo à autodeterminação. Muitos deles são já a segunda geração que vive no Sahara Ocidental. Este grupo iria garantir uma forte resistência interna marroquina em caso de uma nova guerra civil.

Como resultado, milhares de saharauis vivem o dia-a-dia com medo de serem atacados por marroquinos. Nas poucas ocasiões em que os saharauis se organizaram para se defender, o exército Marroquino intervém e eles são imediatamente detidos. O recente caso da morte de Mohamed Fadel ilustra bem a intenção do governo Marroquino de manter estes incidentes escondidos e impedir a população saharaui a receber apoio e protecção internacional. Evidentemente, o governo Marroquino é indirectamente responsável por este crime, bem como muitos outros, uma vez que cria um clima de impunidade, tendo um papel activo por forma a encobrir graves crimes.

Como de costume, a comunidade internacional permanece em silêncio

Apenas um ano atrás, um jovem de 17 anos foi espancado por colonos marroquinos, sem qualquer que tivesse havido qualquer reacção. O governo marroquino tem a responsabilidade de parar de incitar à violência. Em vez disso, devem tomar medidas para garantir um julgamento para cada responsável e assegurar-se de que recebem sentenças adequadas. A comunidade internacional tem de intensificar a sua responsabilidade para proteger o povo saharaui contra os contínuos actos de violência.

Fonte: https://adalauk.org/

Artigo de Né Eme para esquerda.net

فيديو لجريمة القتل في حق الشاب الصحراوي من طرف مستوطن مغربي

Termos relacionados Sahara Ocidental, Internacional
(...)