You are here

Japão: Maior recife de coral em risco de desaparecer

Mais de 70 por cento do maior recife de coral do Japão, situado no sudeste do arquipélago, morreu em 2016 por causa do aumento da temperatura das águas.
"A descoloração dos corais tem lugar quando estes enfrentam alterações extremas e constantes de temperatura, luz e nutrientes", refere o estudo. Foto Matt Kieffer/Flickr
"A descoloração dos corais tem lugar quando estes enfrentam alterações extremas e constantes de temperatura, luz e nutrientes", refere o estudo. Foto Matt Kieffer/Flickr

Um estudo do ministério do Ambiente do Japão divulgado pela estação pública de rádio NKH, refere que as águas em redor do recife, situado em frente à ilha de Ishigaki, no arquipélago de Okinawa, registaram no verão passado uma média de dois graus superior ao habitual, o que levou à descoloração dos corais.

Os responsáveis pelo ambiente daquele país asiático examinaram entre novembro e dezembro o recife, que conta com mais de 70 espécies de corais e é considerado um dos mais antigos e de maior extensão do hemisfério norte, tendo concluído que 70,1 por cento dos corais morreram devido ao branqueamento.

Esta percentagem, referem, representa um aumento significativo se comparado com aquele que se registou nos meses de setembro e outubro, quando se constatou que 97% dos corais tinham sofrido branqueamento e 56% tinha morrido.

Alterações extremas e constantes de temperatura

Perante esta situação, o ministério japonês do Ambiente revelou que as temperaturas marinhas na zona tinham descido desde que começou o outono e que alguns corais tinham recuperado, mas deixou o alerta que mais corais podem vir a morrer e que também não há garantias de recuperação do recife.

A descoloração dos corais tem lugar quando estes enfrentam alterações extremas e constantes de temperatura, luz e nutrientes, um processo que põe em risco a abundância das espécies pesqueiras que dependem dos recifes para abrigo e alimento.

De acordo com o estudo, o fenómeno meteorológico El Niño - responsável pelo aumento das temperaturas da superfície do mar - contribuiu para o branqueamento dos corais em todo o mundo em 2016, afetando alguns dos maiores recifes protegidos da Austrália, Tailândia ou Maldivas.

Segundo dados fornecidos pela União Internacional para a Conservação da Natureza, se a emissão de gases com efeito de estufa persistir com os níveis que regista atualmente, as reservas pesqueiras podem diminuir entre 10% e 30% em 2050, em relação ao período compreendido entre 1970 e 2000.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Ambiente
(...)