You are here

INEM: Falta de pessoal leva a atrasos no atendimento de chamadas

Sindicato admite recorrer novamente à greve devido aos atrasos no atendimentos das chamadas por parte do INEM.
Os atrasos no atendimento do INEM, ficam a dever-se à falta de pessoal, diz o sindicato. Foto do site do INEM
Os atrasos no atendimento do INEM, ficam a dever-se à falta de pessoal, diz o sindicato. Foto do site do INEM

De acordo com o sindicato, o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) demora “mais de três minutos” a atender chamadas de quem pede socorro, em vez dos sete segundos que se aconselham nos manuais mundiais.

O coordenador do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Norte (STFPSN) ,Orlando Gonçalves, afirmou em conferência de imprensa, no Porto, que"aquilo que dizem os manuais mundiais é que as chamadas de emergência médica devem ser atendidas em média em sete segundos”, tendo acrescentado que “nós temos provas de que algumas chamadas chegam a demorar mais de três minutos".

Orlando Gonçalves acrescentou ainda que o INEM "vive ou sobrevive" com o dinheiro dos seguros: "1% de todos os seguros automóveis que nós [portugueses] pagamos", disse, tendo lembrado que que em 2005 a instituição "devolveu ao Tesouro Público 7,3 milhões de euros".

O STFPSN revelou também que mais de 26% das chamadas são perdidas.

A forma “negativa” com funciona o atendimento é, de acordo com a estrutura sindical, consequência da falta de recursos humanos.

Por essa razão, Orlando Gonçalves defendeu que o INEM precisa de pelo mais 30% de trabalhadores para além dos cerca de mil operadores que ali trabalham atualmente.

Possibilidade do recurso à greve

Esta situação levou o dirigente sindical a afirmar em conferência de imprensa, realizada no Porto, que existe a possibilidade de avançar com um novo pré-aviso de greve ao trabalho extraordinário a partir de janeiro, porque aquele que está em vigor termina a 31 de dezembro.

“O senhor ministro da Saúde e o senhor secretário de Estado e o próprio primeiro-ministro têm que tomar uma posição relativamente a isto, porque é vergonhoso o tempo de espera que as pessoas têm quando precisam do socorro”, sublinhou o coordenador do STFPSN.

Orlando Gonçalves também disse ainda que em dezembro está em causa o socorro do INEM à população.

“O mês de dezembro, devido ao clima e ser inverno e também às festas, é dos meses em que ocorrem mais acidentes e mais doenças naturais, portanto é quando mais meios são necessários e é quando eles cortam os meios”, disse o dirigente sindical, tendo avançado que “duvida” que os meios fiquem “inoperacionais apenas em dezembro”.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)