You are here

Incineradora de São Miguel é "megalómana e insustentável", critica Bloco/Açores

O Bloco de Esquerda Açores criticou esta segunda-feira a decisão da Associação de Municípios da Ilha de São Miguel (AMISM) de adjudicar a construção de uma central de valorização energética, alegando que o projeto é "megalómano e insustentável".
Fonte da imagem: Ekologistak Martxan

“Esta decisão é mais um passo na concretização de um projeto que não serve à ilha de São Miguel e que terá consequências negativas na saúde pública e no ambiente, para além do seu gigantesco custo económico imediato e futuro. É um projeto megalómano e insustentável que custará muito caro aos contribuintes”, sublinha o Bloco através de um comunicado.

A construção de uma segunda incineradora nos Açores (já existe uma na ilha Terceira) tem sido contestada, mas, depois de vários debates, o presidente da AMISM, Ricardo Rodrigues, anunciou esta segunda-feira que a obra foi adjudicada por 64,6 milhões de euros.

Segundo o também autarca de Vila Franca do Campo, além da central de valorização energética, a AMISM pretende instalar também um pré-tratamento de resíduos.

Para o Bloco de Esquerda, o presidente da AMISM agiu "como se fosse um Capitão Donatário", ignorando os alertas e apelos para que o processo fosse travado e contradizendo-se publicamente "vezes sem conta".

"De forma totalmente incompreensível, a AMISM, apesar de anunciar que terá financiamento para a instalação de um TMB [Tratamento Mecânico e Biológico] a montante da incineradora, não pretende sequer redimensionar a incineradora, ignorando a inevitável redução da quantidade de resíduos que chegará a esta", apontou.

O Bloco Açores responsabiliza as seis autarquias de São Miguel, lideradas por PS e PSD, mas também o Governo Regional (PS), por apoiar a decisão da AMISM e por ter permitido a incineração no Plano de Gestão de Resíduos.

"O Bloco de Esquerda continua a luta contra a incineração e exige a suspensão imediata do processo para que, de forma séria e transparente, se desenvolva uma solução integrada, ambiental e economicamente sustentável para os resíduos sólidos urbanos em São Miguel", salientou o partido.

Segundo o presidente da AMISM, as obras de construção da central de valorização energética de São Miguel deverão arrancar dentro de um ano, com um prazo de execução de 38 meses.

Termos relacionados Política
(...)