You are here

Imprensa chinesa ameaça EUA com cenário de guerra

Nomeado para dirigir a diplomacia da administração Trump diz que vai impedir Pequim de ter acesso às ilhas que construiu no Mar do Sul da China. Ou é bluff ou preparem-se para a guerra, responde a imprensa chinesa.
Rex Tillerson
Rex Tillerson na audição do Senado esta quarta-feira.

“A menos que Washington esteja a preparar uma guerra em larga escala no Mar do Sul da China, qualquer outra abordagem para impedir o acesso chinês às ilhas será insensata”, afirma o editorial do jornal estatal em língua inglesa Global Times, intitulado “Será a fanfarronice de Tillerson apenas um bluff para o Senado?”.

O artigo refere-se às respostas do nomeado para dirigir a diplomacia norte-americana da administração Trump na audição a que foi submetido na quarta-feira pelo Senado dos EUA. Rex Tillerson comparou a construção de ilhas artificiais no Mar do Sul da China – uma área cuja soberania é disputada por vários países – à anexação da Crimeia pela Rússia e prometeu que a Casa Branca iria enviar um sinal claro a Pequim que “primeiro param a construção de ilhas, e depois o seu acesso a essas ilhas também não será permitido”.

As palavras do ex-administrador da petrolífera ExxonMobil foram recebidas com algum desdém pelo editorialista, que aconselha Tillerson a “estudar melhor as estratégias de potências nucleares se pretende obrigar uma grande potência nuclear a retirar dos seus próprios territórios”. E conclui que “ele provavelmente só pensa em preços de petróleo e taxas de câmbio”.

O editorial do Global Times lembra que o governo de Pequim tem sido comedido em responder às declarações da equipa de Trump, por este não ter ainda tomado posse. “Mas os EUA não devem ser levados a crer que Pequim irá ter medo das suas ameaças”, acrescenta, concluindo que se esta é a forma como a administração Trump pretende tratar as relações entre os dois países, “será melhor que os dois lados se preparem para um enfrentamento militar”.

Comentários (1)