You are here

Illinois aprova canábis medicinal como alternativa a analgésicos opioides

Os Estados Unidos da América lidam há anos com uma crise de dependência e overdose por opioides. Aprovação da canábis para fins terapêuticos pretende ser uma forma controlar a dor e evitar “os efeitos colaterais e negativos dos opioides”.
Illinois aprova canábis medicinal como alternativa a analgésicos opioides
Foto de Martijn/Flickr.

Bruce Rauner, o governador do estado de Illinois, promulgou na terça-feira uma lei que facilita o acesso à canábis para fins medicinais enquanto alternativa aos analgésicos opioides responsáveis por milhares de mortes nos Estados Unidos da América.

"Esta lei apresenta uma alternativa a todos aqueles que precisam de controlar a dor e lutar contra os efeitos colaterais e negativos dos opioides - incluindo o vício", afirmou Bruce Rauner, ao assinar a lei intitulada 'Alternativa aos Opioides'.

Esta nova legislação permitirá a compra de canábis em locais autorizados e mediante a apresentação de uma prescrição médica. De efeito imediato, a nova lei não exige aos consumidores para fins medicinais a análise de impressões digitais e cadastro criminal, ao contrário do que acontece com outros consumidores. Os profissionais de saúde poderão prescrever até 70 gramas de canábis por paciente a cada duas semanas. Entre os problemas de saúde para os quais a canábis é reconhecida como tratamento encontram-se a esclerose múltipla, artrite reumática e a epilepsia.

Segundo a agência Lusa, o recurso à canábis em detrimento de outros analgésicos tem por objetivo a redução ou fim da toma de opioides mais populares e nocivos, como são disso exemplo o Vicodin, OxyContin e o Percocet.

Os Estados Unidos da América lidam há anos com uma grave crise de dependência de opioides e overdose associada a estas substâncias. Só no estado do Illinois, entre 2016 e 2017, as mortes por overdose de opioides aumentaram 13%. Também no Illionois, e desde 2008, já morreram 11 mil pessoas por overdose de opioides.

Termos relacionados Internacional
(...)