You are here

“Golpada” de Berardo blindou obras de arte

Joe Berardo entregou a coleção de arte como garantia aos bancos credores sabendo que ela nunca iria parar às suas mãos. A conclusão é de Mariana Mortágua a partir dos documentos recebidos pela Comissão de Inquérito.
Joe Berardo
Joe Berardo na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. Foto António Cotrim/Lusa

Quando Joe Berardo aceitou entregar os títulos da Associação Coleção Berardo como garantia no processo de restruturação dos seus empréstimos obtidos junto da Caixa Geral de Depósitos, BCP e BES, já tinha planeado a forma de blindar as obras de arte para que os bancos nunca udessem executar a garantia e ficar com as obras. Esta é a conclusão a que chegou a deputada bloquista Mariana Mortágua após ter recebido uma parte dos documentos enviados pela Associação Coleção Berardo.

“Em outubro de 2013 alteram-se os estatutos da associação dona da coleção para que os credores passem a integrar os estatutos e passem a ter poder nas assembleias", mas "nesse mesmo mês há um testa-de-ferro assessorado por um advogado primo do advogado de Berardo que põe estes [novos] estatutos em tribunal dizendo que não se pode dar em penhor património de uma associação”, afirmou a deputada num debate na TSF sobre o andamento do inquérito parlamentar.

Para Mariana Mortágua, "Berardo só aceitou dar a coleção em garantia porque já tinha preparado manigâncias jurídicas para complicar o processo”. Ou seja, "houve falcatrua e um golpe dado por Berardo ao alterar os estatutos ou ter posto os estatutos [alterados em 2013] em tribunal através de um testa-de-ferro ou ter aumentado o capital sem avisar ninguém”, faltando ainda saber a razão pela qual “os bancos aceitam um bem destes dado em penhora, que se percebe que está cheio de buracos”.

A documentação entregue pela associação à comissão de inquérito que investiga alguns dos empréstimos ruinosos da Caixa não contém no entanto elementos que permitam explicar o processo do aumento de capital que acabou por diluir as posições dos bancos credores. Por essa razão, os deputados já anunciaram que vão entregar uma queixa ao Ministério Público.

Termos relacionados Política
(...)