You are here

“Football Leaks”: Espanha abre nova investigação a empresários por branqueamento

As revelações do lançador de alerta português Rui Pinto estão agora a servir para a justiça espanhola investigar dois empresários de futebol por branqueamento de mais de 10 milhões de euros.
Football Leaks
Foto Marco Verch/Flickr

Fali Ramadani e Nikola Damjanac são os dois suspeitos na mira da justiça espanhola graças às revelações do “Football Leaks”. Ammbos terão branqueado mais de 10 milhões de euros através da compra de moradias de luxo em Espanha.

Segundo o jornal Público, está em causa um esquema de contratações fictícias de jogadores através da Lian Sports, a empresa de que ambos faziam parte. “Depois de uma monitorização exaustiva a nível internacional da origem do dinheiro, conseguimos descobrir como estes agentes participavam numa organização criminosa capaz de controlar vários clubes de futebol em países com a Sérvia, Chipre ou Bélgica, realizando contratações fictícias, de que apenas se teve conhecimento através dos documentos desvendados pelos órgãos de comunicação social, conhecidos como Football Leaks”, afirma a Guardia Civil espanhola, citada pelo Público.

Depois do empresário Jorge Mendes e de futebolistas de topo como Cristiano Ronaldo terem sido investigados por fuga ao fisco e obrigados a devolver milhões de euros aos cofres públicos espanhóis, as revelações feitas por Rui Pinto continuam a permitir ao fisco espanhol reaver muito dinheiro que circula ilegalmente na indústria do futebol.

Em Portugal, apesar da disponibilidade reiterada há poucas semanas pela sua defesa, o Ministério Público ainda não deu sinais de querer a colaboração do lançador de alerta português, após mantê-lo na prisão há quase um ano.

Para o advogado Francisco Teixeira da Mota, que defende Rui Pinto em Portugal, “é essencial que as autoridades utilizem a informação sobre crimes graves, tais como fuga ao fisco e branqueamento de capitais, independentemente da sua origem. Isso não quer dizer que as autoridades quebrem a lei na obtenção de informação. Mas se a informação lhes chega, deve ser investigada”, declarou ao Público.

Termos relacionados Sociedade
(...)