You are here

Fome agrava-se na África Oriental

A insegurança alimentar deverá degradar-se ainda mais nos próximos meses, especialmente na África Oriental atingida por uma seca severa”, lê-se num documento das Nações Unidas publicado esta semana.
Foto de Tapperoa/ Flickr

"No início de 2016, é esperado que o número de pessoas afetadas pela insegurança alimentar suba para 32,1 milhões", refere o relatório do Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA), acrescentando que “outros dois milhões podem ser vítimas de situações climatéricas extremas.”

“Desde o passado mês de maio”, sublinha o OCHA,” o total de pessoas afetadas subiu de 18,5 milhões para 25,3 milhões, temendo-se que, em janeiro de 2016, possa chegar aos 32,1 milhões.”

Enquanto países como Sudão, Eritreia, Etiópia e Djibuti podem ser alvo de seca "extrema", outros, como Quénia, Somália e Uganda, correm "sérios riscos" de cheias e inundações.

Este relatório refere ainda que “mais de 90 mil pessoas do sul da Somália já foram afetadas por semanas de chuvas torrenciais, obrigando mais de metade delas a abandonar as zonas de residência.”

Na Etiópia, o "El Niño" não permitiu a ocorrência das chuvas de verão necessárias para aumentar as colheitas de cereais, deixando 8,2 milhões de pessoas dependentes de ajuda alimentar, ou seja, o dobro daquelas que necessitavam de apoio seis meses antes.

O "El Niño" é desencadeado pelo aquecimento da temperatura das águas à superfície no oceano Pacífico e pode provocar, ao mesmo tempo, chuvas torrenciais numa parte do planeta e secas severas noutras.

De acordo com aquele organismo das Nações Unidas “mais de 350 mil crianças etíopes estão em risco e muitas delas poderão morrer de fome, doença ou pela falta de água potável se não receberem assistência até ao final deste ano.”

"O "El Niño" pode ainda levar a um aumento significativo de doenças, como a malária, dengue, diarreia e cólera, as principais causas de morte entre as crianças na Etiópia e noutros países africanos”, alertou por seu turno, a UNICEF.

Por outro lado, a guerra civil no Golfo de Aden e no Iémen, que tem gerado uma crise de refugiados para a Somália e Djibuti, o conflito no Sudão do Sul e a violência no Burundi têm ajudado a ensombrar ainda mais a situação, aumentando o número de refugiados.

Por seu turno, a guerra civil no Sudão do Sul já deixou 40 mil pessoas em situação de fome extrema, número que pode subir de forma de forma significativa nos próximos meses.

Termos relacionados Internacional
(...)