You are here

Fim da apanha da azeitona vai aumentar imigrantes sem abrigo em Beja dizem associações

Muitos migrantes já vivem nas ruas do Baixo Alentejo porque os patrões não pagam o que lhes é devido ou porque deixaram de ter trabalho. A situação vai piorar numa altura em que o inverno aperta.
Timorenses em Serpa em busca de trabalho. Foto de NUNO VEIGA/LUSA.
Timorenses em Serpa em busca de trabalho. Foto de NUNO VEIGA/LUSA.

Nos próximos dias terminará a época da apanha da azeitona o que vai significar um aumento do número de imigrantes sem abrigo no Baixo Alentejo, segundo denunciam associações como a Cáritas e a Estar.

O jornal Público falou com as duas associações que estão no terreno a prestar apoio a esta população. O provedor da Cáritas Diocesana de Beja, Isaurindo Oliveira, salienta que “nestes últimos dias já foi sinalizada mais de uma dezena de pessoas” que ficaram sem abrigo e que “estas pessoas têm de ser alojadas num período em que o frio aperta”. Para isso, já alertou o diretor do Centro Distrital da Segurança Social de Beja de forma a que este acione o Plano de Proteção Civil. O dirigente associativo critica ainda a “falta de organização e de planeamento” no apoio a estas pessoas. A Cáritas iniciou o projeto de apoio aos sem-abrigo em Beja “Estou tão perto que não me vês” em março e, desde então, sinalizou 289 pessoas a viveram nestas circunstâncias.

Madalena Palma e Inês Féria, dirigentes da Estar, associação que apoia imigrantes, avisam que “a cidade de Beja está a enfrentar situações muito dramáticas sem conseguir dar resposta ao nível de habitação de emergência e, mais grave ainda, está a enfrentar situações de fome num número de casos bastante considerável”. Dizem que por dia atendem até 80 pessoas.

A reportagem foi ainda ao encontro de algumas das pessoas que estão a viver nas ruas como dois marroquinos que contaram como estiveram a trabalhar durante cinco meses para a empresa “Decisão Afável”, propriedade de um romeno, mas só receberam o salário de um mês no valor de 705 euros. Têm contrato de trabalho assinado e documentos do Fisco em ordem.

O provedor da Cáritas explica que estas pessoas não querem ser identificadas “com receio das consequências” e que outros, timorenses nesse caso, “foram postos na rua por terem denunciado publicamente a sua situação e outros foram expulsos do trabalho”.

Vários outros trabalhadores imigrantes na região viveram casos semelhantes: são contratados para trabalhar na agricultura, não recebem todo o salário a que têm direito, o dinheiro que lhes é pago não é suficiente para pagar alojamento e ficam nas ruas.

O jornalista Carlos Dias tentou contactar também os trabalhadores migrantes que foram vítimas da rede desmantelada a semana passada mas não obteve sucesso: “o muro de silêncio para chegar a eles é grande em Beja”, conclui.

Termos relacionados Sociedade
(...)