You are here

Filme "Ordem Moral" distinguido com três Prémios Autores 2021

A Sociedade Portuguesa de Autores anunciou no sábado os vencedores deste ano dos Prémios Autores. Entre os premiados encontra-se o filme “Ordem Moral, as atrizes Lúcia Moniz e Ana Moreira bem como a música dos Clã e de Benjamim. 
Maria de Medeiros em "Ordem Moral". Fotografia: Divulgação RTP

Os Prémios Autores visam distinguir “os mais importantes autores e obras que marcaram intensamente a vida cultural e artística portuguesa” no ano transato. Os vencedores da edição deste ano foram anunciados no sábado, através de um comunicado da Sociedade Portuguesa de Autores, na sua página, onde se podem consultar todos os nomeados bem como o júri do concurso. 

No Cinema, o filme “Ordem Moral” recebeu três prémios, para Carlos Saboga (Melhor Argumento), Mário Barroso (Melhor Filme) e Marcello Urgeghe (Melhor Ator). Este filme, que conta com as interpretações de Maria de Medeiros, João Pedro Mamede, Marcello Urgeghe, João Arrais, Albano Jerónimo, Júlia Palha ou Ana Padrão, conta a história de Maria Adelaide Coelho da Cunha, herdeira e proprietária do Diário de Notícias, que “abandona o luxo social, cultural e familiar em que vive, para fugir com um chauffeur, 26 anos mais novo. As consequências desta sua decisão serão obviamente dolorosas e moralmente devastadoras”, refere-se na sinopse deste filme, disponível na RTP Play. 

Também na categoria de Cinema, Lúcia Moniz recebeu o prémio de Melhor Atriz, pela sua interpretação em “Listen”, de Ana Rocha de Sousa. 

Relativamente ao teatro, o prémio de melhor espetáculo foi para “A Paixão Segundo São João”, com encenação de Pedro Lacerda, que recebeu também o prémio de Melhor Ator de teatro. A distinção de Melhor Atriz de teatro foi para Ana Moreira com “Em fora de campo”, e a de Melhor Texto Português Representado para “A reconquista de Olivenza”, de Ricardo Neves-Neves.

Na Música, foram premiados os Clã com “Tudo no Amor”, Tiago Derriça com “Poslúdio” e Benjamim com “Vias de Extinção”. “Onironauta”, de Tânia Carvalho, foi considerada a Melhor Coreografia na área da Dança.

Na Literatura foram distinguidos “Gente acenando para alguém que foge”, de Paulo Faria, “A matéria escura e outros poemas”, de Jorge Sousa Braga e “1.º Direito”, de Ricardo Henriques (texto) e Nicolau (ilustração).

Nas Artes Visuais, foram distinguidos “Eclipse”, de António Júlio Duarte e “Ned Kelly”, de Pedro Silva.

Na área da Televisão, foram premiadas as séries “Herdeiros de Saramago” e “Terra Nova”, ambas da RTP, bem como o “Jornal 2” da RTP 2.

Termos relacionados Cultura
(...)