You are here

“Festejar o 25 de abril é saber o que falta fazer"

Para a coordenadora do Bloco de Esquerda, “quem vive na pobreza, quem se sente discriminado ou é vítima de violência, quem sente a precariedade na sua vida, quem sente a falta da sua casa não vive em liberdade.”
Milhares de pessoas aderiram ao desfile do 25 de abril hoje em Lisboa. 
O Bloco de Esquerda participou com duas faixas onde se podia ler “Liberdade é Viver sem Precariedade” e #nãosomostrump - "Portugal Fora da Nato”. 
 
Ao som dos Farra Fanfarra, as palavras de ordem de Mariana Mortágua foram do “Deixa Passar, sou precária e o mundo vou mudar”, ao clássico “A, anti, anti-capitalistas” até “Fora daqui: o Trump, a guerra e o Putin”. 
 

 

Ao Esquerda.net, Catarina Martins declarou: “Num país em que ainda há muita desigualdade, em que há ainda muitos salários baixos, em que há muito desemprego, em que há ainda pensões baixas, sabemos que ainda está muito por fazer.”
 
Para a coordenadora do Bloco de Esquerda, “quem vive na pobreza, quem se sente discriminado ou é vítima de violência, quem sente a precariedade na sua vida, quem sente a falta da sua casa não vive em liberdade.”
 
"E portanto, festejar hoje na rua o 25 de abril é também assumirmos a responsabilidade de construir essa igualdade essencial à liberdade de que o 25 de abril também se faz”, concluiu.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)