You are here

Fenprof: Afirmações de Ministro devem ser fator de mobilização para greve aos abusos

FENPROF apela à participação dos professores na greve às atividades que não constam no seu horário de trabalho e afirma que as declarações do Ministro da Educação conferem ainda mais razão à luta em curso.

Esta quinta-feira inicia-se o segundo período do presente ano letivo e com ele é retomada a greve dos professores a toda a atividade que não consta no seu horário.

Em comunicado, a Fenprof assinala que “a greve em curso é um instrumento na mão dos professores para que o limite legal do seu horário de trabalho – 35 horas semanais – passe a ser respeitado”.

De acordo com a estrutura sindical, “apesar de não ter a visibilidade de uma greve à atividade letiva, este protesto continuado dos professores levou à anulação de reuniões de avaliação intercalar em muitas escolas e também tem impedido a realização de outras reuniões ou levado a que se realizassem apenas com parte dos professores convocados”.

A Fenrpof garante que a paralisação vai continuar, “até porque esta também é das matérias em que o Ministério da Educação continua a não honrar a palavra dada”, não tendo enviado esclarecimentos para as direções das escolas sobre como organizar os horários dos docentes e nem apresentado uma lista sobre tarefas burocráticas que não deveriam ser atribuídas aos docentes.

Defendendo que “só o fim dos abusos e das ilegalidades que afetam os horários de trabalho dos professores permitirá que esta greve termine”, a Fenprof divulga um vídeo de esclarecimento e apelo à greve no qual participam docentes que integram o Secretariado Nacional da FENPROF, bem como o Ministro da Educação que, “com duas afirmações bastante claras, confere ainda mais razão à luta em curso, o que é muito importante para o seu desenvolvimento”.

Não te deixes enrolar - O HORÁRIO LEGAL DE TRABALHO DOS PROFESSORES É 35 HORAS

 

 

Termos relacionados Sociedade
Comentários (1)