You are here

EUA nunca responderam aos pedidos de oxigénio e foi a Venezuela a ajudar o Brasil

Os governos do Chile e de Israel também rejeitaram o pedido de ajuda de Bolsonaro, mesmo sendo aliados políticos. Foi o executivo de Nicolás Maduro a enviar três remessas de oxigénio para ajudar os hospitais da região de Manaus.
Manaus vive uma situação catastrófica devido à pandemia da covid-19
Foto de CGTN | Facebook

Segundo noticia do jornal Público e da Folha de São Paulo, o governo de Jair Bolsonaro solicitou ajuda aos Estados Unidos devido à falta de oxigénio nos hospitais da região de Manaus. O pedido de ajuda de oxigénio líquido, a 17 de janeiro, persistiu durante nove dias, mas a resposta acabou por nunca chegar, tal como refere um documento da Casa Civil da Presidência.

Durante o mesmo período de nove dias, o governo venezuelano de Nicolás Maduro enviou três remessas de oxigéio para ajudar a capital do Amazonas, que vive um grave surto de covid-19.

O Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, tentou a ajuda estadounidense sem sucesso. Mas este pedido não foi o único que foi rejeitado. As solicitações feitas aos governos do Chile e de Israel também não surtiram efeito, mesmo sendo administrações do mesmo campo político que Jair Bolsonaro.

O mesmo documento da Casa Civil da Presidência revela os detalhes da ajuda da Venezuela a Manaus, que ocorreu no dia 19 de janeiro, e foi efetivada pelo “Estado venezuelano de Bolívar''.

O Ministério das Relações Exteriores brasileiro coordenou a “escolta feita pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) dos cinco camiões venezuelanos carregados com oxigénio líquido”. A segunda remessa foi enviada no dia 22.

A Folha de São Paulo pediu esclarecimentos ao Itamaraty e à Embaixada dos EUA em Brasília, mas não obteve resposta até a publicação da reportagem.

Termos relacionados Covid-19, Internacional
(...)