You are here

Cuba: Apelo internacional pela libertação dos detidos

Noam Chomsky, Marisa Matias e Mike Davis estão entre os subscritores do apelo para a libertação dos militantes socialistas cubanos detidos nas manifestações de domingo.
Protesto em Havana. Foto Maykel Vivero/Twitter

Durante os protestos em várias localidades cubanas no passado domingo, a polícia cubana prendeu vários militantes socialistas, entre os quais o historiador Frank García, o diretor da revista LGBT Tremenda Nota, Maykel Vivero e os estudantes Leonardo Negrín e Marcos Fernandéz. Frank García e Maykel Ribero foram libertados na segunda-feira à noite, mas os dois estudantes não foram libertados.

Em reação a estas prisões, logo em seguida se juntaram ativistas da esquerda internacional em solidariedade com os presos e apelando à sua libertação imediata.

No apelo para a libertação, os signatários apresentam-se como “anti-imperialistas e internacionalistas convictos” e lembram que sempre denunciaram o bloqueio com que os Estados Unidos pretendem enfraquecer, desestabilizar e atacar o povo cubano há mais de meio século. E citam Rosa Luxemburgo quando dizia que “a liberdade apenas para os apoiantes do governo ou de um partido - por mais numerosos que sejam - não é liberdade nenhuma”.

Entre os signatários encontram-se Noam Chomsky, Etienne Balibar, Tithi Bhattacharya, Gerardo Pisarello, Marisa Matias, Eric Toussaint, Alex Callinicos, David Miranda, Christine Buchholz, Mike Davis e os deputados bloquistas Pedro Filipe Soares e Jorge Costa.

Termos relacionados Cuba, Internacional
(...)