You are here

Crescimento da economia é “boa notícia” mas ainda “muito poucochinho”

Na arruada em Matosinhos, esta quinta-feira, Catarina Martins lembrou o “tanto” que foi destruído nos últimos anos e defendeu que os “sinais positivos” do crescimento económico mostram que tratar bem as pessoas e recuperar salários e pensões é a estratégia que o país tem de seguir”.
As notícias do crescimento económico “são boas, mas trazem uma obrigação de fazer melhor”, defendeu Catarina Martins. Foto Esquerda.net
As notícias do crescimento económico “são boas, mas trazem uma obrigação de fazer melhor”, defendeu Catarina Martins. Foto Esquerda.net

“Nós achamos, naturalmente, que são boas notícias, o crescimento da economia tem vindo a afirmar-se ao longo do tempo, mas nós sabemos que ainda é muito poucochinho para tanto do que foi destruído nos últimos anos. A economia portuguesa ainda tem muito de recuperar, no entanto, são sinais bons estes”, disse a Coordenadora Nacional do Bloco, em declarações aos jornalistas, durante uma arruada em Matosinhos, no distrito do Porto.

Na companhia de Ferreira dos Santos, candidato do Bloco à câmara local, Catarina Martins defendeu que estes “sinais positivos” mostram que a estratégia de tratar bem as pessoas e de recuperar salários e pensões é a estratégia que o país tem de seguir.

“Ouvimos durante tanto tempo que só teríamos crescimento económico se baixássemos os custos de trabalho, se privatizássemos a Segurança Social e se cortássemos pensões, bem não é verdade, uma política de recuperação de rendimentos de quem trabalha e trabalhou uma vida é aquela que faz a economia reagir e a que pode trazer boas notícias”, frisou.

Catarina Martins lembrou também que “o crescimento da economia provoca criação de emprego: aquilo que Portugal precisa”. Agora, acrescentou, “é preciso transformar estas boas notícias, estas indicações de que o país está melhor, em condições concretas para a vida das pessoas”. “Se o país está melhor, as pessoas terão de ter mais condições porque toda a gente tem de perceber na sua vida que o país está melhor”, sublinhou ainda.

Para a dirigente do Bloco, “não podem ser só notícias na televisão”. Catarina defende a continuação da recuperação de pensões e salários e também “uma necessidade absoluta de investir nos serviços públicos que são essenciais e que servem toda a população, como é a educação e saúde”.

As notícias do crescimento económico “são boas, mas trazem uma obrigação de fazer melhor”, concluiu Catarina Martins, não deixando de realçar que “as boas notícias têm de chegar efetivamente às pessoas”.

Esta quinta-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou que a economia portuguesa cresceu 2,9 por cento no segundo trimestre deste ano, em termos homólogos, e 0,3 por cento, face ao trimestre anterior. Nas contas nacionais trimestrais relativas ao segundo trimestre deste ano, o INE reviu em alta o cálculo do crescimento do PIB, face à estimativa rápida que tinha divulgado a meio de agosto.

A realidade tem vindo a desmentir Cavaco Silva

“Atrever-me-ia a dizer, com enorme respeito pelas diferenças de opiniões e divergências, que a realidade tem vindo a desmentir o professor Cavaco Silva há já bastante tempo e, desse ponto de vista, as declarações de ontem [quarta-feira] foram iguais às que se esperavam”, disse Catarina Martins, quando questionada sobre o que afirmou Cavaco Silva em relação à atuação das esquerdas na Europa.

Numa 'aula' na Universidade de Verão do PSD, o ex-Presidente da República, Cavaco Silva, defendeu que, na zona euro, "a realidade acaba sempre por derrotar a ideologia" e os que, nos governos, querem realizar a revolução socialista "acabam por perder o pio ou fingem que piam", cita a Lusa.

Ver Fotogaleria - Autárquicas 2017 - Arruada em Matosinhos.

Termos relacionados Política
(...)