CP: diretor demitido após alertar para perigos de se adiar manutenção

17 de December 2018 - 16:17

José Pontes Correia considerava que a segurança dos passageiros estava posta em causa com a entrada em vigor de uma alteração nos critérios de manutenção de algum material circulante. Pouco depois, foi exonerado do cargo de diretor.

PARTILHAR
Fotografia de Paulete Matos
Fotografia de Paulete Matos

A notícia foi avançada pelo Público esta segunda-feira. De acordo com o jornal, Pontes Correira, ex-diretor de material circulante da CP, não esteve de acordo com a decisão da empresa de prolongar o ciclo de manutenção dos rodados das Unidades Triplas Elétricas em mais 300 mil quilómetros.

Estas automotoras, que devem passar por trabalhos de manutenção a cada 1,7 milhões de quilómetros, de forma a serem avaliadas e possivelmente substituídas, são usadas para ligar Lisboa a Tomar, para providenciar os serviços regionais em várias zonas do país, para ligar a Figueira da Foz a Coimbra e para substituir alguns Intercidades com destino a Évora. Assim sendo, são um núcleo importante da frota da CP.

Apesar da referida necessidade de manutenção, a CP optou por aumentar o prazo de circulação das automotoras, de forma a evitar que a frota parasse durante alguns meses, já que recolhê-las às oficinas iria levar a várias supressões de comboios no inverno.

José Pontes Correia opôs-se a esta decisão, tendo criticado os critérios da inspeção dos rodados das composições. Pouco depois disto, no início de dezembro, foi exonerado. De acordo com o Público, a empresa acusa-o de não ter “condições objetivas para o exercício da função”.

Termos relacionados: Sociedade