You are here

“Corte do vencimento dos políticos está longe de ser o único corte por eliminar”

No encerramento do Fórum Socialismo 2019, José Soeiro evocou o legado de Jorge Leite para as leis que protegem os trabalhadores e lembrou António Costa que há outros cortes do tempo da troika que é preciso reverter antes de chegar ao do salário do primeiro-ministro.

Na sua intervenção, o deputado e candidato pelo Porto José Soeiro lembrou o desaparecimento de Jorge Leite, referência incontornável do Direito do Trabalho em Portugal, defensor do “princípio de que não é o ser humano que existe para o trabalho, mas o trabalho que existe para o ser humano”, e que este “não vende nem o seu corpo nem muito menos a sua alma”.

“Devemos-lhe pelo exemplo, pelo entusiasmo e solidariedade” e pela noção de que o fundamento do Direito do Trabalho “é proteger o elo mais fraco”. E foi de proteção dos direitos dos trabalhadores que Soeiro mais falou, lembrando que muito há por fazer em áreas como os direitos dos trabalhadores por turnos, a justiça devida aos trabalhadores em outsourcing, o abuso do trabalho temporário, a implementação das 35 horas semanais no sector privado, a equiparação do mesmo patamar mínimo do subsídio de alimentação no público e no privado, ou a regularização dos vínculos precários.

Soeiro referiu também a proposta apresentada pelo líder do PS para acabar na próxima legislatura com o corte de 5% no vencimento dos políticos, justificando na entrevista dada ao Expresso que era a última reposição de cortes da troika que ficara por fazer na legislatura que agora termina.

“Como é possível que [António Costa] não se lembre que houve muitos cortes no vencimento durante o tempo de austeridade que ficaram por devolver?”, questionou José Soeiro, contrapondo que “o corte dos políticos está longe de ser o único a eliminar”.

E só não é o único porque “o PS juntou-se à direita no fim da legislatura para impedir o fim de todos os cortes que vinham de trás”, lembrou Soeiro, que participou ativamente no debate das leis laborais durante o seu mandato. Nesta eleição de deputados para a próxima legislatura, concluiu, está também em disputa “a força da esquerda para devolver ao mundo do trabalho o que lhe foi tirado”.

 

(...)