You are here

Conselheiro de Nixon admitiu mentira da "Guerra às drogas"

John Ehrlichman admitiu que a política da "guerra às drogas" foi criada com o objetivo de perseguir os movimentos antiguerra e pelos direitos da população negra nos EUA. A polémica reacendeu-se 17 anos após a morte do conselheiro que foi preso no escândalo Watergate.
Foto National Archives Catalog/White House Photo Office

As palavras do braço-direito de Nixon, que chegou a cumprir um ano e meio de prisão por causa do escândalo Watergate, foram ditas em 1994 e agora recuperadas pelo autor da entrevista num artigo da edição de abril da revista Harper's.

"A campanha Nixon em 1968, e depois a administração Nixon na Casa Branca, tinham dois inimigos: a esquerda antiguerra e a população negra. Compreende? Sabíamos que não podíamos ilegalizar o ser-se contra a guerra ou negro, mas ao associarmos os hippies com a marijuana e os negros com a heroína, e criminalizando-os duramente em seguida, poderíamos desfazer essas comunidades. Podíamos prender os seus líderes, fazer buscas às suas casas, interromper as suas reuniões e difamá-los todas as noites nos noticiários. Se sabíamos que estávamos a mentir sobre as drogas? Claro que sabíamos", afirmou o conselheiro para os Assuntos Internos do presidente norte-americano Richard Nixon.

Vinte e dois anos depois de ter dado esta resposta, as palavras de Ehrlichman voltaram a agitar o debate sobre a "guerra às drogas", com o site da Harper's a ficar inacessível devido ao número de visitantes. Ela já tinha sido referida no livro "The Moment" em 2012, mas passou despercebida até agora, diz Dan Baum, o jornalista que o entrevistou. E justifica a franqueza desta figura-chave da administração Nixon por "depois de cair em desgraça e ter passado um tempo na prisão, já pouco tinha a proteger".

Contactado pelo New York Daily News, outro conselheiro de Nixon afirmou-se chocado com as declarações de Ehrlichman, embora admita que "seja perfeitamente possível" que aquelas fossem as motivações do ex-presidente para declarar a "Guerra às drogas" e torná-la doutrina da Casa Branca até aos dias de hoje. "Se isso for mesmo verdade, faria parte da agenda particular de Nixon e Ehrlichman", diz John Dean, hoje com 77 anos, acrescentando que após ter ouvido as gravações secretas das conversas de Nixon com os seus conselheiros mais próximos, tal não o surpreenderia.

O artigo de Dan Baum na Harper's defende a legalização das drogas e volta a apontar Portugal como um caso de sucesso com a descriminalização do consumo, apontando no entanto a insuficiência da medida no que diz respeito ao combate ao tráfico e a impossibilidade de a aplicar nos EUA, onde cada estado e cidade dita a sua lei sobre a matéria, muitas vezes contraditórias.

 

Termos relacionados Internacional
Comentários (1)