You are here

CIA acusada de pagar milhões à Roménia para acolher prisões secretas

As queixas de tortura em prisões secretas da CIA na Roménia e Lituânia começaram a ser ouvidas esta quarta-feira pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos.
Foto Justin Norman/Flickr

A queixa de um cidadão saudita, atualmente detido em Guantánamo, acusa o governo romeno de ter permitido a sua detenção e tortura em 2004 numa base secreta da CIA instalada em Bucareste. A sua advogada acusou os serviços secretos norteamericanos de terem pago milhões de dólares ao governo da Roménia para instalar a base, uma das várias espalhadas pela Europa para onde levavam suspeitos de terrorismo raptados noutros países, muitas vezes com o conhecimento e até a colaboração das autoridades desses Estados.

O governo da Roménia sempre negou o envolvimento e a sua representante na audiência desta quarta-feira no Tribunal Europeu de Direitos Humanos afirmou que as acusações não passavam de “rumores e especulação”. Também o governo lituano está a ser alvo de uma queixa semelhante neste processo.

As torturas infligidas a Abd al-Rahim al-Nashiri e a Zayn al-Abidin Muhammad Husayn, ambos atualmente em Guantánamo, foram confirmadas pelo relatório do Senado dos EUA aos métodos da CIA para lidar com suspeitos de terrorismo. Nos dois casos, a tortura não serviu para obter nenhuma informação útil.

Para a Amnistia Internacional, o dia de ontem foi um marco importante para a responsabilização no caso dos programas de “rendição” de suspeitos à CIA para serem torturados em prisões secretas.

“A Roménia e a Lituânia nunca foram responsabilizadas pelo seu envolvimento direto nos programas de rendição e detenção da CIA. A audiência de hoje é uma oportunidade para os advogados das vítimas apresentarem os factos perante o Tribunal Europeu na esperança de que isso ajude a quebrar a conspiração do silêncio”, afirmou Julia Hall, especialista da Amnistia Internacional em contraterrorismo e direitos humanos. Segundo a imprensa internacional, o Tribunal deverá publicar a sua decisão em setembro detse ano.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Internacional
(...)