You are here

Catástrofe climática no Texas e as políticas do Partido Republicano

A combinação de uma economia baseada no petróleo com a política do Partido Republicano significou a negação das alterações climáticas, bem como a desregulamentação e a irresponsabilidade. Artigo de Dan La Botz.
Trabalhadores tentam restabelecer fornecimento de energia elétrica em fevereiro no Texas.
Trabalhadores tentam restabelecer fornecimento de energia elétrica em fevereiro no Texas. Foto Jonathan Cutrer/Flickr

As alterações climáticas e as políticas republicanas combinaram-se nos últimos dias no Texas para produzir uma catástrofe que deixou milhões de pessoas sem energia, aquecimento e água, com temperaturas que descem abaixo de zero e neve e gelo a cobrir o estado, matando pelo menos 70 pessoas. Este frio rigoroso, que é raro neste estado, é outro exemplo do clima extremo, também sob a forma de inundações e incêndios florestais, que as alterações climáticas trouxeram para os Estados Unidos.

Uma economia dominada pelo petróleo e pelo gás

Há vinte anos, os republicanos assumiram o governo e a maioria dos funcionários eleitos no Texas (tanto na Câmara como no Senado), depois desregulamentaram e negligenciaram os sistemas energéticos do Estado, levando a este desastre. O Governador Greg Abbott e outros republicanos, cujo partido é alimentado pela indústria petrolífera e de gás do Estado, atribuíram a crise ao fracasso das turbinas eólicas e agora avisam que Alexandra Ocasio-Cortez, o seu "New Deal Verde" e as eólicas irão destruir a economia do Estado.

O Texas, quase 25% maior que a França, tem uma população diversificada de 29 milhões de pessoas, 40% branca, 40% latina, 13% negra e 5% asiática. A economia do Estado é dominada pela produção de petróleo e gás, e o Texas é o maior produtor do país. Os bilionários petrolíferos e financeiros do Texas, liderados pela Midland Energy, financiaram o Partido Republicano, tanto estatal como nacional. A combinação de uma economia baseada no petróleo com a política do Partido Republicano significou a negação das alterações climáticas, bem como a desregulamentação e a irresponsabilidade.

Como pôde acontecer a catástrofe?

As temperaturas no Texas variam geralmente entre 15 e 21°, mas na semana passada, após o vórtice polar ter caído sobre os Estados Unidos, Houston teve temperaturas de -8° e Dallas atingiu -16° a 15 de Fevereiro, as temperaturas mais baixas em cerca de 30 anos. Os sistemas elétricos, de aquecimento e de água avariaram nas casas, clínicas e hospitais. As clínicas não podiam dar aos doentes os seus tratamentos de diálise, enquanto as tempestades interrompiam as vacinações Covid. Grandes ranchos e quintas perderam animais e colheitas no valor de milhares de milhões de dólares. À medida que os canos de água rebentavam nas casas, formava-se gelo nas lâmpadas e ventoinhas nos tetos. Como pôde isto acontecer?

O Texas é o único Estado que tem a sua própria rede elétrica; todos os outros estão ligados aos sistemas de interconexão oriental e ocidental, dando-lhes maior capacidade para responder às mudanças na procura de energética. A energia do Estado provém de várias fontes: 46% gás natural, 23% energia eólica, 18% carvão e 11% nuclear. Face ao congelamento, a rede elétrica do Estado, gerida pelo Conselho de Fiabilidade Elétrica do Texas (ERCOT), colapsou. Os políticos criaram e mantiveram o seu próprio sistema e o órgão de direção para escapar à regulamentação federal. O Texas foi avisado, em 2011, que o seu sistema precisava de ser melhorado para lidar com temperaturas mais frias, mas a ERCOT não o fez. Todas as formas de produção de energia falharam por uma variedade de razões, com as turbinas eólicas a falharem devido à incapacidade do governo estadual em adaptá-las às condições de Inverno.

No rescaldo da crise do Covid

Em plena crise, um dos principais políticos republicanos do Texas, o senador Ted Cruz, voou com a sua mulher e filhos para se hospedar num hotel de luxo, em Cancún (México). Alguns passageiros tiraram fotografias de Cruz no aeroporto e no avião, afixaram-nas em redes sociais e tornaram-se viris, causando um protesto público. Cruz teve de comprar um bilhete de regresso e regressar ao Texas no dia seguinte.

A falha do sistema energético texano surge após a má gestão do coronavírus por parte do Estado. Desde o início da pandemia, o Texas teve 41.981 mortes, fazendo dele o segundo estado, depois da Califórnia, entre os cerca de meio milhão de mortos em todo o país. Após os encerramentos iniciais, o Governador Abbott desconfinou o estado e cedeu aos cristãos evangélicos: permitiu a continuação dos eventos religiosos e depressa o Texas se tornou o primeiro Estado a atingir 1 milhão de casos.

O fracasso lamentável do Partido Republicano do Texas em lidar tanto com a pandemia Covid, como com a crise energética, poderia lançar as bases para uma mudança de política que permitisse aos Democratas assumir o governo estatal, mas isto só resolveria os problemas se os Democratas fossem capazes de fazer uma verdadeira rutura com as políticas pró-business.


Dan La Botz é um ativista sindical e jornalista norte-americano. Artigo publicado em Europe Sans Frontières. Traduzido por António José André para Esquerda.net

Termos relacionados Internacional
(...)