You are here

Castelo Branco: Desertificação e emprego são principais problemas do concelho

A candidata do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Castelo Branco nas eleições autárquicas marcadas para 26 de setembro, Margarida Paredes, afirmou que a desertificação populacional e a criação de emprego são problemas fundamentais do concelho. Notícia publicada no Interior do Avesso
Foto de Pedro Beato

“Acabámos de tomar conhecimento, através dos Censos 2021, que o concelho de Castelo Branco em 10 anos perdeu 3.837 pessoas. Os problemas da desertificação populacional e da criação de empregos estão entrelaçados e são dos maiores problemas do concelho”, afirmou Margarida Paredes, segundo artigo da agência Lusa, na apresentação da candidatura em Castelo Branco.

A candidata destacou que a crise social atual, com desigualdades agravadas pela pandemia, não pode ser ignorada, “o que obriga a autarquia a monitorizar e a responder aos fenómenos de pobreza”. Adiantando de seguida que o Bloco tem como prioridade aumentar os apoios sociais para quem mais precisa, de forma a mitigar as consequências da pandemia.

“Não há fixação de jovens no município [Castelo Branco] enquanto o trabalho for precário e não houver empregos bem remunerados. A universidade vê os seus melhores alunos, jovens qualificados, partir para o litoral ou para o estrangeiro, enquanto os empresários se queixam de falta de mão-de-obra”, salientou também a candidata, exemplificando com o Centro de Empresas Inovadoras (CEI), que, “para ser eficaz, necessita de ser acompanhado por um grande pacote de apoios e incentivos destinado a atrair jovens ‘millennials’ das cidades litorais ou do estrangeiro”.

As medidas que o Bloco de Esquerda apresenta para Castelo Branco

Entre várias medidas a implementar, na área da habitação, a candidatura do Bloco compromete-se a disponibilizar a jovens habitações renovadas nas aldeias desertificadas do concelho, bem como a requalificar casas abandonadas ou em ruínas na zona histórica do castelo, implementando uma política de arrendamento acessível e comparticipado.

“Será concedido um subsídio de instalação a fundo perdido e subsídios de maternidade. As rotas dos transportes públicos serão alargadas em número e após as 22:00. As redes de Internet e telemóvel serão reforçadas sobretudo nas aldeias desertificadas. A rede de ciclovias será expandida”, frisou a candidata à Câmara de Castelo Branco.

Também o clima e o ambiente estão na agenda do partido. “Defendemos que as verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) que a Câmara vai receber devem servir para investimento na requalificação do território e da floresta. É preciso transformar a paisagem do nosso concelho e investir nas áreas que têm ardido, substituir os eucaliptos por espécies de crescimento lento para adaptar as nossas florestas às alterações climáticas”, afirmou.

Para os idosos, o Bloco apresenta várias medidas que incluem a criação de um sistema de transportes municipal gratuito para deslocações aos serviços de saúde e distribuição de medicamentos, a introdução de transportes a pedido para pessoas com mobilidade reduzida e o apoio à criação de uma rede pública de ‘cohousing’ e lares municipais. A estas medidas soma-se o desenvolvimento de programas de apoio a cuidadores informais.

Na educação, Margarida Paredes adiantou propostas que incluem a inclusão das comunidades migrantes nas escolas, a distribuição de computadores e acesso à internet a alunos carenciados e ainda a criação de bolsas de estudo para a comunidade cigana. “Contrataremos mediadores escolares oriundos das comunidades racializadas e reforçaremos a formação de alunos e alunas com necessidades especiais”.

No que à cultura diz respeito, a candidata pelo Bloco de Esquerda diz ser necessário “dignificar e promover” a rede de judiarias, por exemplo.

A implementação de um Plano Municipal para a Igualdade para “combater a discriminação de comunidades racializadas, como os negros e ciganos, ou de minorias como a comunidade LGBTI+”, foi outra das medidas referidas.

José Manuel Pureza defende que há uma diferença importante na candidatura do Bloco

O deputado José Manuel Pureza esteve presente na apresentação da candidatura, onde foram lançados os candidatos Sílvio Lopes, à Assembleia de Freguesia; José Ribeiro, à Assembleia Municipal e Margarida Paredes, à Câmara Municipal.

“Esta candidatura vem às eleições para unir a esquerda e não para jogar em divisões entre grupos desavindos, sem que se perceba porque é que são desavindos. Esta candidatura é querida pelas pessoas do Bloco, e não uma candidatura imposta pela direção nacional do BE, como acontece com outras forças políticas no concelho de Castelo Branco”, salientou, citado pela Lusa.


Notícia publicada no Interior do Avesso 

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)