You are here

Carta de Michael Moore a Donald Trump: “Somos todos muçulmanos”

O cineasta norteamericano critica as declarações racistas do candidato a presidente dos EUA. Segundo Moore, o magnata, que, “em desespero e loucura, decidiu proibir a entrada de todos os muçulmanos no país”, não representa o que a América é hoje. #WeAreAllMuslim

Na missiva, Michael Moore recorda que conheceu Donald Trump em novembro de 1998, num programa televisivo. Segundo o cineasta, aquele que agora aspira tornar-se presidente dos Estados Unidos da América (EUA) estava nervoso com o facto de enfrentar Moore na televisão, receando ser “ridicularizado”.

Surpreendido com a forma como Trump, que se descrevia como “um homem rijo de Queens”, parecia “um gatinho assustado”, Moore teve, inclusive, de tranquilizá-lo antes do início do programa, destacando que não iria maltratá-lo e que, na verdade, “mal o conhecia”.

“E agora, aqui estamos em 2015 e, tal como muitos outros homens brancos zangados, está assustado com o bicho papão que o vai apanhar. Esse bicho papão, na sua cabeça, são todos os muçulmanos. Não apenas os que mataram, mas todos os muçulmanos”, escreve Moore.

“Felizmente, Donald, você e os seus apoiantes já não representam o que a América é hoje. Não somos um país de homens brancos zangados”, prossegue o cineasta, citando uma estatística que assinala que 81% do eleitorado que irá eleger o presidente no próximo ano é constituído por mulheres, pessoas de cor e jovens entre os 18 e os 35 anos. “Por outras palavras, não você. E não as pessoas que querem que dirija o país”, frisa.

Lembrando que o magnata, “em desespero e loucura, decidiu proibir a entrada de todos os muçulmanos no país”, Michael Moore refere que foi “educado para acreditar que somos todos seres humanos e irmãos, sem distinção de raça, credo e cor”.

“Isto significa que, se quer proibir os muçulmanos, primeiro terá de proibir-me. E a todos os outros. Somos todos muçulmanos. Assim como somos todos mexicanos, somos todos católicos e judeus e brancos e pretos e todas as sombras no meio. Somos todos filhos de Deus (ou da natureza ou seja o que for em que acredite), fazemos parte da família humana, e nada que possa dizer ou fazer pode, de forma alguma, alterar esse facto”, avança o cineasta.

Se Trump não consegue viver sob estas regras americanas deve, segundo aconselha Moore, “ir para uma sala de espera de qualquer uma das suas torres e sentar-se ali para pensar no que disse”, deixando os eleitores em paz para que possam eleger “um presidente verdadeiro que seja solidário e forte”.

O cineasta norteamericano apela a todos aqueles que leiam a sua carta para tirarem uma fotografia a segurar uma pancarta com a palavra de ordem “Somos todos muçulmanos”, por forma a tornar a mensagem viral nas redes sociais. A iniciativa de Moore converteu-se numa das mais replicadas no twitter nos EUA.

Termos relacionados Internacional
(...)