You are here

Carregal do Sal: Ribeira de Travassos poluída

Uma grande quantidade de espuma e um cheiro a produtos industriais afetavam esta quinta-feira a Ribeira de Travassos, em Beijós, concelho de Carregal do Sal. Notícia do Interior do Avesso.
A Ribeira de Travassos poluída. Foto do Bloco de Esquerda de Carregal do Sal.
A Ribeira de Travassos poluída. Foto do Bloco de Esquerda de Carregal do Sal.

A denúncia foi feita por um munícipe ao Núcleo Concelhio de Carregal do Sal do Bloco de Esquerda. Alguns membros do Núcleo deslocaram-se ao local, Poço da Relva, onde comprovaram o “estado preocupante da Ribeira de Travassos, com grande quantidade de espuma e com cheiro a produtos industriais.”

Em nota de imprensa, o Núcleo do Bloco de Esquerda lembra que “esta Ribeira é um dos encantos naturais do concelho e da freguesia de Beijós. É um local que aviva a memória e traz recordações à população de Beijós, já que era um espaço onde muitas gerações conviveram e aprenderam a nadar. Era o ponto de encontro dos jovens no Verão, mas que hoje em dia não passa de mais de um curso de água poluído e abandonado, à semelhança do que acontece um pouco por toda a região.”

Ainda segundo a nota, o espaço foi, “durante décadas”, mantido “apto” pela população de Beijós, que limpava “o mato à volta para acondicionar o acesso ao Poço da Relva. Hoje em dia, está num estado de abandono total por culpa das entidades competentes.”

A Ribeira de Travassos inclui-se na sub-bacia hidrográfica do Rio Dão. O Bloco apresentou, no mês passado, um Projeto de Resolução na Assembleia da República que tem como objetivo, precisamente, despoluir esta sub-bacia. O projeto foi aprovado por unanimidade, cabendo agora às entidades competentes colocá-lo em prática.

A questão já tinha sido levantada antes pelo Bloco de Esquerda. Em 2016, algumas unidades industriais de Nelas foram obrigadas a instalar Estações de Tratamento de Águas Residuais para evitar a contaminação dos cursos de água. “Hoje em dia, o problema mantém-se, mostrando um grande desrespeito pelo território onde geram riqueza”, considera o Núcleo.

O Núcleo bloquista acrescenta que “estes atentados ao património comum são inconcebíveis em qualquer parte do mundo, mas sobretudo num território já por si penalizado pela baixa densidade populacional, pela falta de oportunidades e pela falta de acesso aos serviços públicos. As entidades competentes não são proativas na resolução destes problemas perpetuando assim a destruição de locais naturais e com capacidade para serem motores de desenvolvimento local.”

O Núcleo Concelhio do Bloco de Esquerda de Carregal do Sal informa ainda que vai dar conta desta situação às entidades competentes, nomeadamente à Agência Portuguesa do Ambiente, ao SEPNA e à Câmara Municipal de Carregal do Sal.

Notícia do Interior do Avesso.

Termos relacionados Ambiente
(...)