You are here

Canábis legal: Lisboa debate modelo uruguaio

A convite do Bloco de Esquerda, o sociólogo Julio Calzada, responsável pelo arranque da legalização quando liderava a Junta Nacional de Drogas do Uruguai, vem debater esse modelo esta terça-feira pelas 21h no Fórum Lisboa.
cartaz debate 3 março

Passam agora três anos desde a chegada da canábis legal às farmácias uruguaias, uma das três vias legais de acesso aos utilizadores, que devem primeiro registar-se nas estações dos correios. As outras duas vias são o autocultivo e a adesão a um clube social, mas o utilizador apenas pode escolher uma dessas três formas de acesso. 

Ao contrário do que acontece com os modelos de legalização implementados em muitos estados norte-americanos ou no Canadá, a prioridade das autoridades do Uruguai, então presidido pelo carismático Pepe Mujica, foi “desmercantilizar estas substâncias”, como explicou em entrevista à revista Esquerda o ex-diretor da Junta Nacional de Drogas e atual responsável pelo departamento de Políticas Sociais da capital uruguaia, Montevideu.

Numa altura em que o debate sobre a legalização da canábis se prepara para regressar ao debate político, Julio Calzada é o convidado do Bloco de Esquerda para uma sessão pública onde se fará o debate sobre o modelo uruguaio e o balanço destes três anos de implementação.

O debate realiza-se no Fórum Lisboa esta terça-feira pelas 21h e conta também com a participação do médico Bruno Maia, de Inês Macedo, da Kosmicare, uma associação que trabalha na área da redução de riscos, e do deputado bloquista Moisés Ferreira. 

Termos relacionados Política
(...)