You are here

"Breast ironing": direitos individuais e tradição em confronto no Reino Unido

Prática de massagem mamária com pedras a escaldar, para atrasar o desenvolvimento de raparigas adolescentes e dissuadir abordagens sexuais, revelada no Reino Unido.
Pedras sobre fogo. Foto de Jeff Ferzoco/Flickr.
Pedras sobre fogo. Foto de Jeff Ferzoco/Flickr.

"Engomar" com pedras a escaldar os seios de raparigas adolescentes para atrasar o desenvolvimento mamário — eis uma prática tradicional alegadamente em expansão em algumas comunidades no Reino Unido. Após a mutilação genital feminina, é um novo caso de confronto entre direitos individuais e práticas culturais de minorias.

O Guardian publicou este fim de semana uma reportagem com testemunhos que afirmam que a prática do breast ironing, uma prática tradicional nos Camarões e países circundantes, estará a crescer entre as comunidades de origem africana no país. Quando as raparigas se aproximam da puberdade, são submetidas a ela por suas mães e outras familiares próximas, que crêem assim "quebrar" o tecido mamário, atrasar o seu desenvolvimento, e proteger as raparigas de atenções sexuais indesejadas. Mas médicos consultados pelo jornal contrapõem que a prática não atrasa o desenvolvimento do tecido mamário, e pode deixar sequelas físicas, como mastites e outras inflamações, além de psicológicas.

Há poucos dados sobre a real extensão desta prática. Segundo o Guardian, os testemunhos recolhidos referem dezenas de casos em Londres, Leeds, Essex ou Wholverhampton. Um relatório recente que auscultou associações da diáspora africana no país refere a perceção de que se trata uma questão emergente que não estará a receber a atenção devida das autoridades públicas. Uma representante associativa estimou que o número de mulheres afetadas poderia chegar ao milhar. Não existe um estudo sistemático com números sólidos.

Mas mais que a extensão em termos absolutos desta prática — num país com uma população superior a 60 milhões de pessoas, será sempre minoritária — a percepção de que estará a crescer é motivo de debate, bem como o que poderão fazer as autoridades judiciais, pois uma intervenção policial enfrentaria muitos obstáculos e teria aspectos contraproducentes.

Termos relacionados Internacional
(...)