You are here

“Bolsonaro é uma tragédia humanitária”

Esta quinta-feira, na Fundação Saramago, em Lisboa, Marcelo Freixo teceu duras críticas a Bolsonaro. No seu entender, o “acidente histórico” que foi a sua eleição inaugurou o regime de uma “democracia totalitária”. Eleito, o presidente continuaria a defender ditadores, torturas e milícias.
Fotografia: página de Facebook da Fundação Saramago
Fotografia: página de Facebook da Fundação Saramago

A Fundação Saramago encheu esta quinta-feira para ouvir uma conversa com Marcelo Freixo, deputado Federal no Brasil, do PSOL, moderada por Francisco Louçã. A conversa, intitulada “Brasil 2020, ameaças e lutas pela democracia”, atraiu dezenas de pessoas, que encheram a sala disponibilizada para o efeito: todas as cadeiras ocupadas, várias pessoas de pé. Afinal, o Brasil está em ebulição e, de um lado e de outro, não se deixa de procurar caminho ou partilhar experiências.

Francisco Louçã começou por lembrar que Marcelo Freixo nasceu nas lutas pelos direitos humanos e foi eleito com esse mandato.

No seu entender, as próximas eleições para a prefeitura do Rio de Janeiro, para as quais Freixo, agora deputado federal, é candidato, serão as mais importantes do Brasil. “É a grande cidade do país em que a esquerda se pode e se tem de unir”, lembrou, sublinhando que a esquerda pode disputar a segunda volta e ganhar as eleições, já que tem um candidato que ganhou expressão popular, como se viu no segundo turno das últimas eleições.

“Bolsonaro é uma tragédia humanitária”

O deputado federal do PSOL teceu duríssimas críticas a Jair Bolsonaro. No seu entender, é preciso reafirmar que a sua eleição é “uma tragédia humanitária, um acidente histórico”. “A gente não pode nunca tirá-lo do lugar de uma figura pequena da história do Brasil”, afirmou.

No seu entender, é necessário entender porque é que este “acidente histórico” aconteceu para que se possa chegar à sua derrota, e isto num contexto em que “o Brasil tem um risco profundo de viver sem qualquer respiro de democracia nos próximos tempos”.

Com a nova reconfiguração política da direita no Brasil, Freixo considera que a direita que podia ser encontrada no campo democrático já não existe. “Não temos mais uma relação com fiéis adversários, tem uma outra coisa acontecendo”, afirmou. “Assim, é importante que tenhamos alianças democráticas para que se quebre Bolsonaro”, cuja presidência tem 32% de aceitação.

Tendo sido eleito, Bolsonaro inaugura “a democracia totalitária”, um regime que manda a democracia, como era conhecida, para um lugar do passado, ao implementar-se silenciamento e censura, direta e financeira. Assim, a democracia “foi reduzida a um mero processo eleitoral”. “Bolsonaro defende regimes totalitários, ditadores, as torturas, as milícias”, lembrou Freixo.

O deputado do PSOL sublinhou ainda que “Bolsonaro não ganhou a eleição por ser anti-petista, mas por ser anti-sistémico”, e isto apesar de ter estado 28 anos no parlamento.

 

Termos relacionados Internacional
(...)