You are here

Bloco defende que quem apoiou ocupação do Afeganistão “deve agora fazer o seu balanço”

Bloco de Esquerda afirma que o regresso dos talibãs demonstra a irresponsabilidade da ocupação pela Nato. O partido frisa ainda que o mundo deve olhar para o povo afegão e procurar formas de o apoiar. Talibãs já ocuparam palácio presidencial afegão.
Ahmadullah Muttaqi, responsável pelos media e cultura dos Taliban fala com os jornalistas após a rendição do governo afegão. Foto EPA/Stringer, agência Lusa.

Num comunicado do Secretariado do Bloco de Esquerda sobre a situação no Afeganistão, lê-se que o regresso dos talibãs “demonstra a enorme irresponsabilidade que foi a invasão e ocupação do Afeganistão pela NATO ao longo dos últimos vinte anos”.

O Bloco defende que “quem na altura apoiou esta invasão deve agora fazer o seu balanço”.

“Pela nossa parte, sempre a criticámos: a invasão ajudou à exaltação do terrorismo em largas partes do mundo e, como repetidamente se tem provado, nunca são invasores estrangeiros a impor a democracia num país”, refere a direção do partido.

O Bloco destaca ainda que “o mundo deve agora olhar para os problemas do povo afegão, submetido por um grupo de fanáticos religiosos, e procurar as formas de o apoiar sem acrescentar problemas e violência às suas enormes dificuldades”.

Os talibãs começaram este domingo a penetrar as defesas da capital afegã, Cabul, a última grande área urbana do país que permaneceu sob ténue controlo do governo, depois de capturarem a cidade oriental de Jalalabad.

O presidente afegão Ashraf Ghani já deixou o país e as forças internacionais estão a tentar retirar todo o seu pessoal do terreno.

O The Guardian avança que as forças internacionais já não controlam totalmente a segurança do aeroporto de Cabul, e que a embaixada norte-americana instruiu os cidadãos dos EUA a permanecerem onde estão e tentarem encontrar um lugar seguro para esperar.

Entretanto, os talibãs disseram à Reuters que assumiram o controlo do palácio presidencial do Afeganistão.

Termos relacionados Internacional
Comentários (1)