You are here

Angola: Nuno Dala há 12 dias em greve de fome

Nuno Dala, ativista e professor universitário, reivindica acesso às suas contas bancárias, a entrega dos seus pertences e de resultados de exames clínicos. Nesta segunda-feira, decorrem as alegações finais do julgamento dos jovens 15+2.
Nuno Dala, ativista e professor universitário angolano, está em greve de fome há 12 dias

Nuno Álvaro Dala, que entra nesta segunda-feira no 12º dia de greve de fome, é um dos réus do processo 15+2, dos jovens que são acusados da “prática de rebelião” e de “atentado contra o Presidente da República”. O ativista e professor universitário iniciou greve de fome no dia 10 de março de 2016, depois de ter sido de novo preso a 7 de março.

Na passada sexta-feira, 18 de março, Luís Nascimento, advogado de Nuno Dala, disse ao “Rede Angola”, que não prevê cancelar a greve de fome.

“Pelo menos ontem disse-me que não havia motivos para cancelar a greve porque o seu problema não foi resolvido. Não consegue obter aquilo que foi apreendido, designadamente um montante de 38.000 Kuanzas”, informou Luís Nascimento, acrescentando que o ativista disse que o Serviço de Investigação Criminal (SIC) devolveu à sua irmã dois cartões multibanco, quando são quatro e nem sequer tem os códigos para levantar dinheiro.

“Por isso, pediu à irmã para não mais visitá-lo para evitar gastar dinheiro e energia”, explicou Luís Nascimento, acrescentando que Nuno Dala pretende evitar assim “preocupar a irmã que é o elemento da família mais próximo.”

Os advogados de defesa dos ativistas já entregaram vários requerimentos ao juiz, pedindo a devolução dos bens apreendidos aos réus, mas até agora isso não aconteceu.

Numa nota assinada no facebook (ver abaixo), o ativista M'Banza Hamza refere que se cruzou com Nuno Dala no Hospital Prisão de São Paulo, onde ambos foram fazer exames médicos, e salienta que Nuno está também a protestar “contra aquilo que chamou de 'manobras dilatórias' quanto ao desfecho do caso em que é arguido”.

 

ENCONTRO COM NUNO DALAHoje não acordei muito bem. Desconfiava tratar-se de paludismo. Tinha dores de cabeça, nas...

Publicado por Central Angola 7311 em Quinta-feira, 17 de Março de 2016

Alegações finais do julgamento dos 15+2

Entretanto, estão marcadas para esta segunda-feira, 21 de março, as alegações finais no julgamento dos 15+2.

As alegações finais estavam previstas para há uma semana, porém o juiz presidente impediu o advogado David Mendes de apresentar as alegações finais em nome dos seus constituintes, sob o argumento de que o advogado tinha intervido no processo na qualidade de declarante.

David Mendes contestou referindo que nunca fez qualquer declaração, mas o tribunal argumentou que foi convocado como declarante, mas faltou. O advogado acabou por aceitar não fazer as alegações finais, sendo substituído por Zola Bambi e o tribunal concordou com a suspensão das alegações finais por uma semana.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Repressão em Angola, Internacional
(...)