You are here

Amadora: Deolinda Martin quer mais habitação pública e diálogo com as populações

O debate da RTP3 sobre a Amadora foi muito focado no problema da habitação no concelho. A candidata bloquista e atual vereadora Deolinda Martin condenou a violência das demolições camarárias e defendeu o investimento público para habitação acessível.
Deolinda Martin, candidata do Bloco à Câmara Municipal da Amadora - Debate da RTP3 | 7 de setembro de 2021

Realizou-se esta terça-feira o debate da RTP3 entre as candidaturas à Câmara Municipal da Amadora. A questão da habitação e dos bairros degradados foi o principal assunto do debate e a candidata e atual vereadora do Bloco, Deolinda Martin, começou por referir que “é uma das áreas em que o Bloco nota divergência profunda em termos de proposta política relativamente à ação da Câmara”.

Deolinda Martin defendeu que a carência de habitação a preços que as pessoas possam pagar só pode ser combatida com "mais habitação pública" no concelho e chamou a atenção para o facto de Portugal estar na cauda da Europa no que respeita à fatia de habitação pública no total de casas construídas.

A candidata bloquista criticou a carga de violência que acompanhou as demolições conduzidas pela Câmara Municipal nos últimos anos e contestou o uso pejorativo da expressão "barracas" para referir as habitações precárias construídas muitas vezes "por quem construiu as pontes e estradas deste país".

“É um problema humano, sobretudo humano, porque para realojar é preciso perceber que o Programa Especial de Realojamento (PER) está completamente desatualizado, tem 20 anos”, prosseguiu Deolinda Martin. A candidata lembrou que o preço da habitação da Amadora aumentou em 10%, tornando-a um dos concelhos com as “habitações mais caras do país”.

Relativamente ao bairro da Cova da Moura, Deolinda Martin afirmou que “nesta matéria temos muitos cuidados porque há ali pessoas que vivem há muitos anos e que certamente terão alguns direitos de usucapião, muitos deles já nasceram lá". Por isso, a resolução  tem de se basear "no diálogo, ouvindo as populações.

Deolinda Martin sublinhou que se candidata porque “gosto muito da Amadora, vivo há vários anos na Amadora, trabalhei na Amadora até me aposentar. Portanto, é o gosto pela Amadora que me leva a candidatar”.

As prioridades do Bloco “passam pelo combate às alterações climáticas, em primeiro lugar, e desde logo porque pensamos que este combate se realiza com bons transportes públicos. Uns transportes públicos que tenham frequências que correspondam às necessidades das pessoas, não queremos que nenhum amadorense esteja uma hora à espera de um autocarro”, referiu a atual vereadora.

Também a Saúde foi definida como uma das prioridades do partido, propondo medidas que fixem médicos de família na Amadora. Na educação “queremos mais creches públicas, os casais não podem continuar a pagar tanto por uma creche como pagam por uma faculdade. Estamos cá, vamos à luta, temos um bom programa”, vincou a candidata.

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)