You are here

Altice “chantageia” freguesias de Porto de Mós

O deputado do Bloco, Ricardo Vicente, denunciou que a Altice está a chantagear as populações das freguesias serranas de Porto de Mós que não têm acesso à rede móvel e internet. Depois das reclamações, o diretor do Altice, André Figueiredo, disse que “iam ficar sem fibra ótica”.
antena
Foto de Wally Gobetz | Flickr

O Bloco de Esquerda dirigiu esta sexta-feira uma pergunta ao Ministério de Estado, da Economia e da Transição Digital na qual denunciou que a Altice está a chantagear os habitantes de algumas freguesias de Porto de Mós, no distrito de Leiria, que não têm acesso aos serviços de telecomunicação. 

No documento, os bloquistas referem que “o diretor de comunicação da Altice, André Figueiredo, ameaçou as populações de várias freguesias do município de Porto de Mós de que iam ficar sem fibra ótica por terem chegado à empresa manifestações de descontentamento por falta de cobertura de serviços de telecomunicações no município”.

Estas declarações foram feitas ao semanário Região de Leiria e o responsável pela Altice também disse que “foi o senhor presidente de Câmara que resolveu [a questão], numa reunião pediu à Altice de Portugal que reconsiderasse. Mas fiquem a saber que essas freguesias iam ficar sem fibra ótica, à custa da atitude dessas pessoas que não foram bem formadas nem bem-educadas na atitude que tiveram”.

A falhas nos serviços de rede móvel, rede fixa e internet afetam principalmente as freguesias serranas de Porto de Mós e agravaram-se com o confinamento devido à pandemia da covid-19. Já tinham motivado uma pergunta do Bloco. Por exemplo, na freguesia de São Bento 80% do território não tem acesso a estes serviços. Esta situação foi, inclusive, confirmada pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) numa visita à Porto de Mós no início do mês de julho. 

Todos estes constrangimentos com os serviços de telecomunicações motivaram protestos e manifestações das populações afetadas e desde 2019 que moradores e autarcas apresentam medidas para resolver este problema. 

Na pergunta dirigida ao governo, o Bloco de Esquerda considera “ser essencial a disponibilização de um serviço público e universal de telecomunicações para o país, resgatando para o Estado a rede básica capturada pela Altice e que nunca devia ter deixado a esfera pública. Esta é uma condição fundamental para travar o despovoamento, reduzir assimetrias regionais e garantir a soberania do país”. Por isso, o deputado Ricardo Vicente quer saber se o governo considera legítimas as declarações do responsável da Altice contra as populações de Porto de Mós e que medidas se irão tomar para garantir a igualdade de acesso aos serviços de telecomunicações, tal como as medidas que adotará para que esta situação não se volte a repetir.

Termos relacionados Política
(...)